quinta-feira, 10 de abril de 2014

A Lenda do Chimarrão



Walter Spalding



Contaram-nos por volta de 1949, em São Borja:

“São Tomé, ou Pai Sumé, percorrendo as margens do Rio Uruguai ensinava aos indígenas os mistérios da fé que Cristo, recém crucificado, legara aos apóstolos para pregarem por todo o mundo. Ao partir, porém, satisfeito com o comportamento dos silvícolas do Uruai, deixou-lhes de lembrança a Erva Mate, ensinando-os a preparar a infusão que lhes daria força e vigor.”

Mais tarde encontramos no folclore paraguaio a mesma lenda, mas em verso. Por isso resolvemos escrever também em verso a lendinha que nos contaram e aqui apresentamos ao leitor curioso:

Pôr de sol risonho e belo...
Caminhava pelas margens
do Uruguai, sério e singelo,
São Tomé. ‒ Sereno ouvia
a boa língua selvagem
que um mundo lhe descobria.

E os índios, donos da terra,
almas puras, sem maldade,
ao santo que a glória aterra,
‒ a glória do mundo, é claro ‒
pediram fosse seu chefe
e o chamam ‒ “senhor preclaro”.

“Caraí”, ‒ “capitão grande” ‒
“pajé guassu” o nomeiam
e exigem-lhe que os comande.
Mas Tomé diz-lhes então:
‒ “Devo partir, bons amigos...
Diversa é minha missão...
Cristo é que os passos me guia
E só Ele é quem me manda.
Seu poder, sabedoria,
ciência, cultura e amor
é que orientam céus e terra.
Ele é o único Senhor.

Mas antes de retirar-me
dentre vós, meus bravos filhos,
sem que isso vos cause alarme,
eu quero como lembrança,
deixar-vos santa receita
que auxilia a temperança.”

E ensinou-lhes a infusão
das folhas verdes da erveira
que o Senhor, em profusão,
naquelas terras plantou.
E depois de abençoá-la
com os amigos a tomou...

Em seguida, mansamente,
pondo os pés no grande rio,
por cima da água corrente
foi andando... foi andando...
até sumir-se, lá longe,
como uma igara vagando...

E desde então, dia a dia,
o bom povo guarani
mais valente se sentia
com mais vigor e mais fé,
ao tomar do chimarrão
que lhes dera São Tomé.

E o mate foi-se espalhando
pelos pagos do Rio Grande.
Até que foram chegando
alguns brancos de outras terras
que com os índios se mesclaram
depois de violentas guerras...

E é por isso que o gaúcho
não dispensa o amargo-doce,
‒ não por bonito ou por luxo, ‒
mas porque, no chimarrão,
há uma parte de sua vida
e um dogma da Tradição.

(Em Almanaque do Correio do Povo, de 1962)


Nenhum comentário:

Postar um comentário