sábado, 12 de abril de 2014

Sonetos humorísticos




O empenado

Manuel Tapajoz Gomes

(4° Ano)

Ares de bacharel... pose de gente,
aspecto grave a reclamar respeito,
sempre pisando firme, satisfeito,
sobranceiro, em geral, e sorridente...

Certo “que”, certo chic, certo jeito...
onde quer que ele esteja ou se apresente,
qualquer pessoa, junto dele, sente
cheiro de leis, de pontos, de Direito...

Cheio de garbo, de altivez, de viço,
muito mais cheio de importância e d´ares,
que muito deputado, ou que um capitalista;

É o empenado assim. Leitor, por isso,
se à frente de um tal tipo te encontrares,
podes ficar sabendo: é quartanista...

Francamente

Bastos Tigre

Não procures em mim fidelidade;
Nem coisa tal é coisa que se peça
A quem como eu sincero, te confessa
Amar no amor a eterna variedade.

Podia prometer-te... À vã promessa
Prefiro a nobre e sólida verdade:
Com o meu temperamento e a minha idade
Não é o amor grandeza que se meça.

Não se ama por tamina ou por compasso
Em dose certa, às gotas ou às colheres...
Ama-se enquanto houver na vida espaço.

... Amar-te a ti somente? É o que me queres?
Pois minha flor, desculpa-me não faço
Tamanha afronta... ao resto das mulheres.

Noite de insônia

Emilio de Menezes

Este leito que é meu, que é teu, o nosso leito
Onde este grande amor floriu sincero e justo
E nós unidos ambos, peito contra peito,
Ambos cheios de anelo e ambos cheios de susto.

Este leito que ali está revolto, assim desfeito
Onde humilde beijei teus pés, as mãos, o busto
Na ausência de teu corpo a que ele esta afeito
Mudou-se para mim num leito de Procusto!...

Louco e só! Desvairado! A noite vai em termo,
Estendo lá fora as sombras augurais,
Envolve a natureza e penetra o meu ermo.

E mal julgas talvez quando acaso te vais
Quanto me punge e corta o coração enfermo
Este horrível temor de que não voltes mais!...

Meu leito

Barão de Itararé


Naquele canto escuro está meu leito
Cama de vento, com colchão pegado...
É nessa pobre cama que me deito
Quando venho da rua fatigado.

É nessa mesma cama que hei sonhado
Muito sonho d´amor, que está desfeito...
Duma feita sonhei que fui eleito
Senador, mas não sei por qual Estado.

Muito embora não tenha travesseiro,
O sangue não me sobe... nem me desce,
Circulando em meus rítmico harpejos.

Passaria deitado o dia inteiro,
Se essa cama de vento não tivesse
Tantas pulgas e tantos percevejo


Nenhum comentário:

Postar um comentário