domingo, 20 de abril de 2014

Os penicos do Coronel Bicaco



O Coronel Bicaco ganhara o seu título em revoluções e era estancieiro, ervateiro e bolicheiro forte no local onde hoje está a bela e hospitaleira cidade que tem o seu nome.

Fisicamente ele se parecia com Getúlio Vargas, pequeno, forte e entroncado. Grosso como tarugo de pipa, cheio de manias e meio agarrado com os pilas, duma feita recebeu a visita dum viajante de São Paulo que trazia uma novidade para o bolicho: penico alouçado, de vários calibres e virola de cores diferentes. E sem tampa, ao contrário daqueles antigos penicos de louça que vinham nos enxovais fazendo jogo com a jarra, a bacia, a saboneteira e a escarradeira...

O Coronel gostou e quis comprar, mas o homem disse que só vendia por “grosa”. Aí o índio velho pensou que “grosa” era como os birivas chamavam a dúzia e encomendou doze grosas. E de cada tipo!... Surpreendido mas satisfeito, o viajante assinou o pedido.

Daí a umas semanas começou a chegar penico no bolicho que não acabava mais! Os trens despejavam em Ijuí vagões e vagões e as comitivas de carreteiros não tinham descanso. Apavorado, o Coronel Bicaco quis parar com tudo aquilo. Chamou um “confiança”, fez um telegrama, contou as palavras direitinho e deu ao homem cavalo encilhado e o dinheiro justo para passar o telegrama, em Ijuí, a 35 léguas de distância.

Mas deixa que o “confiança” gostava dum trago uma coisa por demais e parou num bolicho de beira de estrada, para umas e outras... Chegou à estação da viação férrea e faltou dinheiro para todo o telegrama, que era assim: “Não manda mais penico. pt Coronel Bicaco”. O negócio era cortar uma palavra e a moça quis saber qual seria. Ele então disse: “Corte a primeira”. Era a palavra não”.

Resultado: outra inundação de penico! ... Desesperado, o Coronel Bicaco redigiu outro telegrama: Parem de mandar penico. pt. Coronel Bicaco, contou o dinheiro e mandou o “confiança” de novo a Ijuí. Aí o borracho levou mais dinheiro, do dele. Estava preocupado, achando que estava chegando mais penicos por sua causa, porque deixara da outra feita uma palavrinha à toa de fora.

Aí resolveu corrigir o erro: pegou a palavra que antes tinha ficado de fora e acrescentou no telegrama de agora, satisfeito consigo mesmo. Ficou assim: "Não parem de mandar penico. pt. Coronel Bicaco”.

Até hoje ainda tem penico sem uso, daqueles tempos, em Coronel Bicaco...



(Do livro “Novos causos de galpão”, Antônio Augusto Fagundes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário