quarta-feira, 2 de abril de 2014

Professorinha



Autor: Dimas Costa


Chinoca, meiga, trigueira,
Descendentes das missões,
Exigente nas lições,
Reclama e briga por tudo.
Mas eu fico sempre mudo
Ao ver aquela carita,
Quando repreende e grita,
Numa expressão sedutora.
Essa é a professora
Do colégio onde estudo.
Que me importa com estudo
De história ou geografia,
Se eu gosto é da anatomia
Dessa prenda encantadora.
Eu que sou índio de fora
Meio matuto, por certo,
Vou decorando o alfabeto
Com muita dificuldade,
Porque só aprendo, é verdade,
Nas lições que ela me dá,
Que coisa mais linda não há
Do que os olhos da professora.
Esses dias me surpreendeu,
Quando mui séria ensinava,
Que apaixonado eu a olhava
Sem escutar a sua fala.
E, por assim eu mirá-la
Acho que bem entendeu,
Pois de pronto enrubesceu
E tomando-me a lição,
Diz que por falta de atenção,
Me pôs pra fora da aula.
Professora, professora,
Deixa de manha, mimosa!
Chinoca quando é dengosa
Ressalta mais o primor.
Desculpa, mas minha flor
Entende a minha paixão:
Deixa pra lá essa lição
E vem comigo, querida,
Viver as coisas da vida
Num recreio só de amor...
Se tu quiseres mesmo
Unir-te em laços eternos,
Bota fora os cadernos
E vem seguir os meus passos.
Se larguemo pelos espaços
A procura de um cantinho,
Onde ergueremos um ninho
Debaixo do céu aberto,
E eu morro analfabeto
Só pra viver nos teus braços!

Nenhum comentário:

Postar um comentário