domingo, 4 de maio de 2014

Curiosidades literárias


Olavo Bilac por Netto

Conta Mário de Lima Barbosa que, sendo eleito presidente do Estado do Rio, o dr. Francisco Portela levou Olavo Bilac como seu secretário. E certa vez o poeta escreveu um ofício em versos nestes termos:

Niterói, dez de janeiro
Saúde e fraternidade.
Demita-se o tesoureiro
Por falta de assiduidade.

E lavre-se a Portaria,
O Decreto ou Alvará,
Que entregue a tesouraria
Ao Dr. Luiz Murat.

Outra vez preparou também um despacho de poeta para um requerimento de Licença:

Se Dona Ana Maldonado
For uma bela mulher,
Tenha o dobro do ordenado
Na licença que requer.
                                             
Mas se for velha e metida,
Das que se chamam – Canhão,
Seja logo demitida,
Sem maior contemplação.

* * * * * * * *


 Aquela que matou o guarda

Engana-se quem pensa que “aquela que matou o guarda” foi a cachaça. Tratava-se de uma mulher que trabalhava para D. João VI e se chamava Canjebrina que, como informam os dicionários, significa pinga, cachaça. Ela teria matado um dos principais guardas da corte do rei. O guarda era seu marido e estaria de caso com Dona Carlota Joaquina. Portanto, teria sido a canjebrina que teria matado o guarda. Por ter uma marca com esse nome, toda vez que pedia uma cachaça, pedia “aquela que matou guarda”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário