terça-feira, 13 de maio de 2014

A tragédia de Santa Maria


Não consigo esquecer

Por David Coimbra*

Vi uma menina em meio aos cadáveres, no ginásio de Santa Maria.

Não consigo esquecer aquela menina.

Eu estava caminhando pelos corredores de corpos das vítimas do incêndio na boate, estava angustiado com o cenário de horror. Na verdade, não sabia exatamente o que pensar nem o que sentir, e ainda estou pensando, ainda estou sentindo.

Então, avancei pelo corredor central, até onde haviam sido dispostas as mulheres, todas elas cobertas até a cintura por uma lona.

E a vi.

Ela estava deitada à direita do corredor principal, numa das fileiras frontais. Era uma moreninha de cabelos pretos e lisos que lhe escorriam até um palmo abaixo dos ombros. O que primeiro me chamou a atenção foram, exatamente, os cabelos. Pareciam estar penteados. Tinham brilho. Em seguida, olhei bem para seu rosto. Era bonita, de feições delicadas, boca e nariz pequenos. Os olhos escuros estavam semiabertos, como se ainda enxergassem ou estivessem se abrindo de um sono reparador. Era muito jovem. Quantos anos teria? Dezoito? Dezenove no máximo.

Eu ia para um lado e para outro, mas acabava voltando e olhando-a. Por algum motivo, precisava olhá-la. Pensei que parecia uma menina bem cuidada. Sim, uma menina tratada com doçura, como têm de ser tratadas as meninas. Devia ser o orgulho dos pais, a paixão dos avós. Provavelmente estudava nos semestres iniciais de alguma das faculdades de Santa Maria. Talvez Veterinária. Sim, aposto que era Veterinária, a menina devia adorar bichos.

Devia ser uma menina alegre, que iluminava os locais em que chegava. Devia estar no primeiro namorado, nos primeiros beijos, nas primeiras dores de amor. Espantoso como dela emanava serenidade. A impressão era de que logo se ergueria dali, sorridente e estremunhada do adormecer, e olharia para mim, e me cumprimentaria com leveza, e sairia daquele lugar macabro com passos de quem já foi bailarina.

Lembrei de uma história contada no Evangelho de São Marcos. Jesus chega ao velório de uma menina. Todos choram, e ele diz:

- Por que estão chorando? Ela não está morta, está apenas dormindo.

As pessoas caçoam de Jesus, mas ele se aproxima do corpo e ordena:- Talita, cumi!


Ou seja:- Menina, levanta!


E a menina se levantou para a vida.

Pensei que aquela menina de Santa Maria poderia se levantar para a vida naquele momento. Porque ela parecia, mesmo, viva. Tão bela, tão criança, tanto para fazer neste mundo. E aí olhei para ela e pensei: menina, levanta! E, por um momento, acreditei que ela pudesse, de fato, se levantar. Olhei, olhei, mas ela não se mexia. Como podia, aquela menina ali? Não podia. Não devia. E de novo pedi: menina, levanta! E a fitei, fixamente. Levanta, menina, pedi outra vez. Levanta. Levanta. Levanta. Levanta.

*****

Eu, Nilo da Silva Moraes, dou o seguinte testemunho:

* No dia 29 de janeiro de 2013, numa terça-feira, viajei com a minha mulher para o Rio de Janeiro. O voo seria pelas 8 horas da manhã. Fui numa banca e comprei o jornal Zero Hora para ler na viagem. Ainda estava impactado pela tragédia da minha cidade, Santa Maria. Li a crônica acima, fiquei emocionado. À tarde, no Rio, vou à Biblioteca Nacional para fazer uma pesquisa. Na saída, na portaria, acertando uns detalhes com as funcionárias da biblioteca, vi um jovem perguntar algo,  reconheci-o e disse; “Muito boa a tua crônica, David Coimbra.” Ele deu-me um sorriso simpático e agradeceu o comentário. As moças, curiosas, quiseram saber do que se tratava. Pedi que abrissem o PC que estava na sua frente e digitassem: Zero Hora – David Coimbra. Elas, então, leram a crônica acima, e entenderam a dimensão da nossa dor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário