terça-feira, 13 de maio de 2014

Um Homem Morreu



(Para Manoel Raimundo Soares)*

(1936-1966)

Um homem morreu.
Mataram um homem!

Batido
queimado
rasgado
ferido,
um trapo jamais!
Ao álcool
e à água,
ao fogo
e à terra,
sua boca sorriu.
A vida tão doce, a música, o livro,
o beijo de amor,
a terna amizade
um dia afundou
no dia em que um homem
batido
queimado
rasgado
ferido
foi morto!

Um homem sonhou.
Mataram um homem!

Os olhos que a vida
dourou de esperança,
a boca que um dia
cantou o futuro,
as mãos que forjaram
palavras de aço,
imóveis estão.
Os olhos que as feras
encheram de prantos,
a boca que as bestas
não descerraram,
as mãos que os algozes
prenderam às costas
desatar-se-ão.

Um homem morreu.
Mataram um homem!

(Não esqueçam,
entrementes,
que o sangue
é semente!)


Do livro inédito “A palavra exata” de Carmen Sílvia


*Sargento assassinado sob tortura no Regime Militar (1964-1985)


Nenhum comentário:

Postar um comentário