quarta-feira, 11 de junho de 2014

Fulano & Beltrano

Professora Etelvina e suas pílulas de sabedoria instantânea




Fulano de Tal é o nome genérico que se dá a alguém incerto e não sabido. Fulanos somos todos nós, ou cada um de nós. A palavra original é hebraica – fuluni – e significava “um, dentre muitos”. O primeiro dos fulanos aparece já no Velho Testamento: “Fulano, vem assentar-te aqui” (Livro de Ruth, 4:1). Os árabes modificaram a grafia para fulan, os espanhóis adotaram o Fulán no século XVI. E foi daí que veio o português Fulano. Mas cada país do mundo tem seus próprios fulanos, com nome e sobrenome. O nosso é o Zé Ninguém, ou o Zé Povinho, ou o Zé da Silva. Aqui estão seus ilustres colegas.

África do Sul: Piet Pompies

Alemanha: Hans Mustermann

América Latina: Juan Perez

Austrália: Fred Nerk

Áustria: Hans Maier

Bósnia: Marko Markovic

Brasil: Zé da Silva

Bulgária: Ivan Ivanov

Canadá: John Jones

Chile: Penco de Los Palotes

Croácia: Pero Peric

Estônia: Jaan Taam

Estados Unidos: John Doe
Finlândia: Matti Meikäläinen

França: Jean Dupont

Hungria: Pista Jóska

Inglaterra: Joe Bloggs

Islândia: Jón Jónsson

Índia: Aira Gaira

Itália: Pinco Pallino

Japão Taro Yamada

Lituânia: Vardenis Pavardenis

Noruega: Ola Nordmann

Polônia: Jan Kowalski

Romênia: Ion Popescu

Suíça: Herr Schweizer


Com tanta gente fazendo tudo para ganhar alguns minutos de fama, é curioso – e até reconfortante – saber que as pessoas mais mencionadas no mundo na verdade não existem.

A professora Etelvina está semanalmente nas páginas da revista Época, para brindar os leitores com seu saber enciclopedicamente inútil.



(Época de 11 de setembro de 2006)




Nenhum comentário:

Postar um comentário