domingo, 8 de junho de 2014

Um poema desconhecido


Esta poesia de um autor desconhecido foi posta no frontispício de um livro de Guerra Junqueiro, o grande poeta português.


“O amor é escada sublime,
Vasta, imensa, luminosa
Que leva o filho do crime
Ao doce olhar de Jesus
É chama de fogo eterno
Que ascende vertiginosa
Dos sorvedores do inferno
Aos sorvedores da luz
Que o fogo de mil crateras
Tombasse sobre o Universo
E mar, e homens, e feras,
Ficasse tudo submerso
Embora passado um dia
Nalgum ângulo de rocha
Onde a urze desabrocha,
O amor desabrocharia.”



Guerra Junqueiro


Nenhum comentário:

Postar um comentário