quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Fatos clássicos de um campinho de várzea




- Roseta no pé.
- Chinelo que vira goleira.
- Driblar formigueiro no meio do campo.
- Bola isolada na rua.
- Quem chuta longe, busca.
- Jogar 3 dentro, 3 fora e fazer árvores da calçada de gol, e, quando passa um carro, parar o jogo.
- Bola no fio de luz, vizinhança no escuro!
- Chutar a bola na trave e ela se desprender...
- Acertar um vespeiro e acabar com o jogo...
- De pé no chão dar um chute na pedra e arrancar um tampão do pé!
- Chute passa sob os chinelos (vulgo traves). Discussões intermináveis se foi gol ou não.
- Ficar no golo 10 minutos ou 3 gols.
- Escorregar na pequena área de areião.
- Jogar as peladas nas calçadas e as goleiras eram nos portões das casas.
- Procurar taquareiras para fazer goleiras.
- O dono da bola ficava puto com alguma coisa, ia embora e terminava com o jogo.
- Vizinha que furava a bola quando ela caía no pátio dela!
- Bola rolando em direção ao bueiro, desespero geral da gurizada!
- Arrancar um tampão do pé é clássica, discussão em trave de chinelo também, levar selaço nos bagos era outra...
- Molhar os pulsos antes de beber água na bica.
- 2 regras básicas:
1. Na canela não é falta!
2. Pescoço pra baixo é tudo canela.
- O lateral é de quem ia buscar a bola.
- Nunca havia impedimento!
- Pular o muro atrás da bola e cair em cima de Coroas de Cristo, e continuar jogando.
- Bola prensada é da defesa. Cobrar o lateral tocando a bola no próprio peito e sair jogando.
- O ruim de bola jogava no gol; os bons, na linha.
- Guri pequeno vai de gandula para poder, pelo menos uma vez, chutar uma bola.
- Na falta de fardamento, jogam os de camisa contra os sem camisas.
- As faltas são sempre apitadas no grito.
- Bola furada acaba com o jogo.
- Guri bom de bola sabia fazer balãozinho, fazia gol de charles, dava meia-lua e janelão nos adversários.

Regras de futebol do peladeiro*

Impedimento? Substituição? Árbitro, técnico e desconto? Tudo isso passa muito longe de onde acontece a maior parte dos jogos de futebol: os campos de pelada. Lá, as regras e ditados podem não ser exatamente do jeito que você aprendeu.

– A regra mais polêmica do futebol: mexeu o chinelo, é trave, e se for na parte de dentro?

– A regra mais confusa: pediu, parou. Mas e se o cara pediu e não foi?

– A regra mais lendária: prensada é da defesa.

– Se ninguém quer ser o goleiro, tem que fazer rodízio. Aí é um cá ou dois lá. Mas se frangar, agarra outro.

– E se tiver poucos jogadores, não precisa ter “goleiro”.

– O jogo só termina quando acaba. Ou seja, com cinco minutos… ou sete… ou dez. Ou com dois gols, o que vier primeiro.

– O código de ética: o que acontece em campo, fica em campo.

– Um grande clássico: casados contra solteiros.

– O maior clássico: com camisa contra sem camisa. E você passa de um time para o outro sem ter torcida pegando no seu pé (até porque quase sempre não tem torcida alguma).

– No inverno, antes do jogo, se escolhe camisa ou bola.

– Empate não é um bom resultado, porque se empatar saem os dois.

– Eu já vi par ou ímpar mais tenso que partida de pênaltis.

– Sempre tenha um bom ganhador – de par ou ímpar – no seu time.

– E o time que marcar o último gol é campeão do mundo.

Publicado em Crônicas, Cultura da Pelada

*Peladeiro: Jogador de futebol de pelada, ou seja, futebol que joga com bola de couro velha e desgastada, em campo sem grama e com os jogadores descalços, prática muito comum nos anos 60 e 70 em campinhos de várzea em qualquer cidade brasileira

Peladadeiros por Fraga


10 Regras da Boa Pelada

01. A BOLA

A bola pode ser qualquer coisa remotamente esférica. Até uma bola de futebol serve.

No desespero, usa-se qualquer coisa que role, como uma boa de meia, uma pedra, uma lata vazia ou até merendeira do irmão menor.

02. O GOL

O gol pode ser feito com o que estiver à mão: tijolos, paralelepípedos, camisas emboladas, chinelos, os livros da escola e até o seu irmão menor.

03. O CAMPO

O campo pode ser só até o fio da calçada, calçada e rua, rua e a calçada do outro lado e, nos clássicos, o quarteirão inteiro.

04. DURAÇÃO DO JOGO

O jogo normalmente vira em 5 e termina em 10, pode durar até a mãe do dono da bola chamar ou escurecer. Nos jogos noturnos, vai até alguém da vizinhança ameaçar chamar a polícia.

05. FORMAÇÃO DOS TIMES

Varia de 3 a 70 jogadores de cada lado. Ruim vai para o gol. Perneta joga na ponta, esquerda ou direita, dependendo da perna que faltar. De óculos é meia-armador, para evitar os choques. Gordo é beque.

06. O JUIZ



Não tem juiz.

07. AS INTERRUPÇÕES

No futebol de rua, a partida só pode ser paralisada em três eventualidades:

a) Se a bola entrar por uma janela. Nesse caso os jogadores devem esperar 10 minutos pela devolução voluntária da bola. Se isso não ocorrer, os jogadores devem designar voluntários para bater na porta da casa e solicitar a devolução, primeiro com bons modos e depois com ameaças de depredação.

b) Quando passar na rua qualquer garota gostosa.

c) Quando passarem veículos pesados. De ônibus para cima. Bicicletas e Fusquinhas podem ser chutadas junto com a bola e, se entrar, é Gol.

08. AS SUBSTITUIÇÕES

São permitidas substituições no caso de um jogador ser carregado para casa pela orelha para fazer lição ou em caso de atropelamento.

09. AS PENALIDADES

A única falta prevista nas regras do futebol de rua é atirar o adversário dentro do bueiro.

10. A JUSTIÇA ESPORTIVA

Os casos de litígio serão resolvidos na porrada.



Bibliografia: 

http://blogsupino.blogspot.com/2009/07/regras-pra-pelada.html´



Nenhum comentário:

Postar um comentário