quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Mil e Uma Noites



Em 1949, quando a Vila Assunção ainda era um bairro quase exclusivamente residencial e parecia mais afastado do centro da Capital do que é hoje, a Zona Sul ganhou uma casa noturna que se podia chamar de chique: Mil e Uma Noites. O prédio côncavo monumental, com fachada de vidro e uma marquise curta apoiada em altas colunas cilíndricas, tinha ares modernistas e foi projetado pelo arquiteto Erwin Brandt, o mesmo que desenhou o Edifício Caiçara, na esquina da Avenida Borges de Medeiros com a Rua Coronel Fernando Machado, e que fez, também, um projeto (posteriormente modificado pelo padre João Inácio Fröner) para o Santuário de Santa Rita de Cássia, no bairro Guarujá.

O night club teve como frequentadores a elite porto-alegrense ao longo da década de 1950. Localizado na Avenida Guaíba, seus bailes e festas, com vista para o rio, ficaram famosos. Como outras casas noturnas, com o passar do tempo, entrou em decadência, mas, ainda assim, promoveu célebres bailes carnavalescos. Depois de um período fechado, o grande e espaçoso prédio foi reformado e teve uma sobrevida. Reabriu como a casa de chope Bier Haus. A música dos conjuntos melódicos, que embalou tantos romances, foi substituída pela das bandinhas alemãs.

O champanhe e a cuba libre foram trocados pela cerveja. Após esse efêmero reaproveitamento, que permitiu aos mais nostálgicos, que não se conformavam em ver o edifício, construído em lugar tão nobre, abandonado, voltar ao local e desfrutar da paisagem, a casa acabou também fechando. Um dia, as máquinas chegaram para pôr tudo abaixo e, ali, erguer um dos tantos condomínios que agora se espalham por toda a Zona Sul.

(Do Almanaque Gaúcho de Zero Hora)


P.S. Eu fui uma ou duas vezes no Bier Haus, que, antigamente, era o Mil e Uma Noites. Nos anos 70, virou uma casa de danças com o nome de Clube dos Coroas, muito frequentado por gente na casa dos 40, 50, 60 anos. Tinha dois salões, um com música ao vivo e outro com música de discos, se não me falha a memória.

Como curiosidade, informo ainda que, em 1953, o Grêmio realizou, no Mil e Uma Noites, o seu baile de 50 anos de fundação.

Nilo da Silva Moraes


O clube das mil e uma noites e dos mil e um amores...

3 comentários:

  1. Fiz uma viajem ao passado, muito bom recordar, as mulheres vestiam longo, tive vários romances, e com uma delas me casei.

    ResponderExcluir
  2. Amigo, veja como esse lugar, e seus arredores, viram muitos amores acontecerem.

    ResponderExcluir
  3. Maria Helena Severo10 de novembro de 2016 12:40

    No 1001 Noites fui a algumas festas de formatura , mas já não era mais aquele deslumbre de seu início !
    Que lástima !

    ResponderExcluir