quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Recuerdos natalinos




Quando chega dezembro, sempre retornam as antigas e ternas recordações da minha infância lá na Vila Rica. No fim de ano, aumentava o serviço no bolicho e no armazém. Com as férias do colégio, dedicava-me exclusivamente a ajudar minha mãe no atendimento da venda campeira e na entrega dos ranchos. Muitos clientes mandavam as listas de compras e, à noite, depois de alimentados os animais e fechadas as portas, íamos para o armazém sob a luz de um lampião a querosene separar os produtos, pesar e deixar em caixas para que fossem entregues no outro dia de carroça. Naquele período, havia uma grande movimentação lá em casa. Umas tias iam nos visitar e ajudar na função. Minha mãe tinha o costume de lavar toda a casa, desde as paredes ao teto, “para tirar a sujeita e o mau-olhado”. Gostava de começar o ano com a casa limpa, como aprendera com a mãe dela, numa fazenda na Serra das Encantadas.

Havia ainda as novenas, quando as senhoras vizinhas carregavam a Santa de casa em casa para as rezas. As famílias faziam seus pedidos e agradeciam pelas graças do ano. Lembro de um ano em que um guri vizinho, o Chiquinho Brabo, pediu para que Jesus lhe devolvesse sua irmãzinha Jaciara, de 3 anos, morta naquele ano de uma doença repentina. Eu, que era mais velho, sabia que a Jaci nunca mais voltaria, mas nada disse ao Chico. Sem saber o que fazer, dei-lhe duas pandorgas e a única bola de couro que tinha. “Agora tu tens alguma coisa para brincar”, eu disse, entregando-lhe o saco de estopa com os presentes.

Noutro ano, me surpreendi com dona Esmeralda, a lavadeira, cuja família havia sido destroçada por uma enchente do rio Ivaí. Ficara sozinha, ela e uma filhinha de colo. Apesar da tragédia, agradeceu pela vida, pela filha e pediu a Deus apenas saúde, pois sabia trabalhar e fibra tinha de sobra para criar o bebê. Nunca esqueci daquela figura que nunca se abatia com os percalços e lutava confiando em dias melhores. Dizem que a filha formou-se advogada, casou e buscou a mãe para morar com ela na cidade.

Na Noite de Natal, rezávamos ao lado de um presépio rústico. Depois comíamos carne assada, mandioca cozida, quibebe, salada de maionese e tomávamos guaraná frisante Polar. De sobremesa, havia arroz de leite, ambrosia, doce de abóbora e pedaços de melancia fresca que ficava desde a véspera dentro de um poço num saco de estopa. As primas brincavam de sapata, cinco-marias e bonecas de palha. Os guris faziam carretinhas de lata, bois e cavalos de sabugo ou de osso. Todos juntos corríamos à noite, no terreiro, atrás dos pirilampos. E a vida seguia assim, tranquila, com aquela beleza singela que se encontra no coração solidário dessa gente humilde, simples e justa que vive na simplicidade do campo.


Paulo Mendes, no Correio do Povo, dezembro de 2011



Nenhum comentário:

Postar um comentário