segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Ratos de praia desde D. João VI

Ir à praia é parte fundamental da cultura brasileira: o hábito motiva turismo, estilos musicais, modas de verão. Mas nem sempre foi assim. Em resposta a nosso leitor, uma historiadora conta quando a praia começou a ser um lugar de lazer e de banho no Brasil.


Por: Andrea Marzano*


O antigo píer de Ipanema, registrado em 1970 (foto: Renato Soldon).


No século 18, médicos britânicos revelaram propriedades terapêuticas da água salgada. No século seguinte, portadores de diversas enfermidades, seguindo recomendações de doutores britânicos e franceses, recorriam aos banhos de mar.

A vinda da família real acabou trazendo esse costume para as praias brasileiras. Em 1810, D. João VI tomava banhos regulares na praia do Caju, no Rio de Janeiro, para curar um ferimento. O exemplo do rei animou novos adeptos, gerando o surgimento de casas de banho na cidade.

No século 19, a presença de imigrantes europeus contribuiu decisivamente para a disseminação, ainda bastante restrita, dos banhos de mar nas cidades brasileiras. No entanto, as praias centrais eram frequentemente sujas, além de não oferecerem proteção contra a curiosidade alheia. Nas praias do Centro do Rio de Janeiro, por exemplo, escravos despejavam barris de excrementos provenientes das residências onde serviam.

 No final do século 19, o médico Francisco de Figueiredo Magalhães (1838-1895) abriu a primeira casa de banhos de Copacabana. No início do século 20, a construção da Avenida Beira Mar e do Túnel Novo, em meio às reformas urbanas do prefeito Francisco Pereira Passos (1836-1913), facilitou o acesso às praias da Zona Sul, estimulando o costume dos banhos de mar e a ocupação daquele bairro.

Em fins dos anos 1910, o sucesso crescente dos banhos de mar provocou o surgimento de postos de salvamento em Copacabana, embora até o início dos anos 1920 a praia do Flamengo fosse a mais frequentada da cidade.


*Andrea Marzano
Departamento de História,
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio)



Copacabana antiga


Copacabana anos 40


Copacabana 1956



Um comentário:

  1. Muito interessante, não sabia que tudo começou assim,eu tive o privilégio de conhecer praias belíssimas.

    ResponderExcluir