domingo, 17 de abril de 2016

O Brasil na Segunda Guerra Mundial


O embarque

Às 14h22min de 16 de setembro de 1944, a artilharia da Força expedicionária Brasileira (FEB) abriu fogo pela primeira vez na Segunda Guerra Mundial. O destacamento liderado pelo general Zenóbio da Costa, que obedecia ao comando geral do marechal Mascarenhas de Moraes, havia substituído na noite anterior as tropas norte-americanas posicionadas na linha de frente em Vada-Ostedalettoe, no Norte da Itália. Zenóbio da Costa tinha recebido ordens de avançar em direção a Massarosa, onde os brasileiros foram recebidos como heróis – a cidade foi libertada pelo 1° e 2° batalhões do 6° Regimento de Infantaria da FEB.

Naquele momento, a Segunda Guerra Mundial começava de fato para o Brasil. A campanha duraria a ter a rendição alemã, em 8 de maio de 1945, e ocuparia 25.445 brasileiros, afastados de suas famílias, amores e amigos. Nesse período, a FEB venceu oito batalhas – a principal e mais famosa: a de Monte Castelo – e capturou 14.779 soldados inimigos, 80 canhões, 1.500 viaturas e 4 mil cavalos. No caminho, 456 brasileiros morreram em combate e outros 2.722 foram feridos.

Na verdade, para muitas famílias, a guerra começou um pouco antes, no momento em que filhos, maridos e amigos embarcaram rumo ao conflito. O primeiro contingente da FEB partiu do Rio de Janeiro com. 5.379 homens no domingo, 2 de julho de 1944, com destino a Nápoles. O transporte das tropas foi feito pelo USS General Mann, escoltado pelos destróieres brasileiros Marcílio Dias, Mariz e Barros e Greenhalgh. Quase três meses depois, mais 11 mil homens (2° e 3° escalões da FEB) partiram do Brasil na sexta-feira, 22 de setembro do mesmo ano.

Dois escalões, o 4° e o 5° foram enviados à Itália em 23 de novembro de 1944 (4.976) e 8 de fevereiro de 1945 (5.128 homens), respectivamente. Nesse meio tempo, o 1° Grupo de Aviação de Caça brasileiro, comandado pelo major-aviador Nero Moura, chegou à Itália em 6 de outubro de 1944, depois de um longo período de treinamento com pilotos norte-americanos no Panamá e nos Estados Unidos. A primeira missão foi em 31 de outubro do mesmo ano, quando o capitão Pamplona voou como ala de uma esquadrilha norte-americana. Durante todo esse tempo, milhares de famílias brasileiras rezavam pelos seus e lhes escreviam carta.




Artilharia brasileira


(Do livro “Cartas do Front – Relatos emocionantes da vida na guerra”, 
de Andrew Carroll)



Nenhum comentário:

Postar um comentário