quinta-feira, 21 de julho de 2016

Uma música do Maluco Beleza



E tudo começou com um encontro insólito...


Foi um artigo sobre discos voadores, publicado por Paulo Coelho na revista A Pomba, em 1973, que levou Raul seixas a conhecê-lo, embora, em entrevista ao Pasquim, ele tenha emprestado a esse encontro uma versão bem menos prosaica: “Eu conheci o Paulo Coelho na Barra da Tijuca, num dia em que eu tava lá. Às cinco horas da tarde eu tava meditando. Paulo também tava lá meditando, mas eu não o conhecia. Foi o dia em que nós vimos um disco voador. Enorme, rapaz, um negócio muito bonito.” De um jeito ou de outro, o fato é que ainda em 1973 Raul e Paulo assinariam juntos metade das músicas do disco Krug-Ha Bandolo e, um ano depois, a canção “Gita”, de grande sucesso, além de outras sete do elepê homônimo. Produto assim da parceria de um roqueiro extravagante com um futuro autor de bes-sellers esotéricos, “Gita” inspira-se na “Bhagavad-Gita” (“A Canção do Senhor”), que faz parte do Mahabharata e é considerado o mais importante texto sagrado do Hinduismo. O poema milenar trata de um diálogo do Senhor (Krishna) com o guerreiro Arjuna que – num momento de desespero por ter de combater seus próprios irmãos – o interpela sobre sua existência divina. Vem daí o tema da canção, desenvolvido em dezenas de versos afirmativos: “Eu sou a luz das estrelas / eu sou a cor do luar / eu sou as coisas da vida / eu sou o medo de amar / (...) / eu sou, eu fui, eu vou / (Gita, Gita, Gita, Gita, Gita). A composição é cantada por Raul de forma vigorosa, em tempo de rock, sustentada por um arranjo que procura criar um clima de mística suntuosidade. O sucesso de “Gita” proporcionou ao Maluco Beleza o seu primeiro disco de ouro. Anos depois, ele a relançou em inglês com o título de “I am”.


Do livro “A Canção no Tempo – 85 anos de Músicas Brasileiras”,
de Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello
Volume 2: 1958-1985



Raul Seixas por J. Bosco


Gita

Raul Seixas e Paulo Coelho


Eu que já andei pelos quatro cantos do mundo procurando,
foi justamente num sonho que Ele me falou

Às vezes você me pergunta
Por que é que eu sou tão calado?
Não falo de amor quase nada,
Nem fico sorrindo ao teu lado.
Você pensa em mim toda hora,
Me come, me cospe, me deixa.
Talvez você não entenda,
Mas hoje eu vou lhe mostrar:
Eu sou a luz das estrelas,
Eu sou a cor do luar,
Eu sou as coisas da vida,
Eu sou o medo de amar,
Eu sou o medo do fraco,
A força da imaginação,
O blefe do jogador,
Eu sou, eu fui, eu vou.
Gita! Gita! Gita! Gita! Gita!

Eu sou o seu sacrifício,
A placa de contra-mão,
O sangue no olhar do vampiro
E as juras de maldição.
Eu sou a vela que acende,
Eu sou a luz que se apaga,
Eu sou a beira do abismo,
Eu sou o tudo e o nada.

Por que você me pergunta,
Perguntas não vão lhe mostrar,
Que eu sou feito da terra,
Do fogo, da água e do ar.
Você me tem todo dia,
Mas não sabe se é bom ou ruim,
Mas saiba que eu estou em você,
Mas você não está em mim.
Das telhas, eu sou o telhado;
A pesca do pescador,
A letra A tem meu nome,
Dos sonhos eu sou o amor.
Eu sou a dona de casa,
Nos pegue-pagues do mundo.
Eu sou a mão do carrasco,
Sou raso, largo, profundo.

Gita! Gita! Gita! Gita! Gita!

Eu sou a mosca da sopa
E o dente do tubarão.
Eu sou os olhos do cego
E a cegueira da visão.
Mas eu sou o amargo da língua,
A mãe, o pai e o avô.
O filho que ainda não veio,
O início, o fim e o meio.
Eu sou o início, o fim e o meio.


Nenhum comentário:

Postar um comentário