terça-feira, 13 de setembro de 2016

Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac


(O nome já é um verso alexandrino


Olavo Bilac por Loredano

Histórias de sua vida

Em custódia

Refugiado em Minas Gerais para escapar do Marechal Floriano Peixoto, Olavo Bilac permaneceu longe do Rio uma longa temporada, sofrendo em seu íntimo a saudade da terra carioca.

Atribuíram-lhe a autoria de muitos versos terrivelmente venenosos que publicavam em O Combate contra o ditador. Daí a perseguição policial que o obrigou a refugiar-se à sombra das montanhas mineiras.

Um belo dia recebe ele a notícia de que podia regressar ao Rio. Não era político nem revolucionário, por que haveria de temer? E Bilac, confiante, mete-se no trem, de volta à roda boêmia da Rua do Ouvidor.

Ao saltar na estação da Central, tem esta surpresa: a Polícia, alertada de seu regresso, deita-lhe a mão, conduzindo-o ao Quartel, para o tormento dos interrogatórios, a que se segue a prisão incomunicável.

É dali, burlando a vigilância que apertava a guarda à sua volta, que Bilac manda a Coelho Neto este desabafo em forma de soneto:

Em custódia

Quatro prisões, quatro interrogatórios...
Há três anos que as solas dos sapatos
Gasto, a correr de Herodes a Pilatos,
Como Cristo, por todos os pretórios!

Pulgas, baratas, percevejos, ratos...
Caras sinistras de espiões notórios...
Fedor de escarradeiras e mictórios...
Catingas de secretas e mulatas...

Para tantas prisões é curta a vida!
Ó Dutra! Ó Melo! Ó Valadão! ó diabo!
Vinde salvar-me! vinde em meu socorro!

Livrai-me desta fama imerecida,
Fama de Ravachol, que arrasta ao rabo,
Como uma lata ao rabo de um cachorro!

Estrabismo do poeta

Estava Bilac à porta da Colombo, numa segunda-feira de Carnaval, quando um mascarado se aproxima e lhe pergunta:

 Esse teu estrabismo não te faz as imagens duplicadas?

E o poeta, que havia reconhecido o mascarado:

 Sempre que te olho, vejo de fato quatro pés.


O culto da perfeição

Um mês antes de morrer, Olavo Bilac apanhou das gavetas, onde guardava os seus manuscritos, os originais de três poemas e três dramas em verso, a que não dera o derradeiro polimento, e jogou-os às brasas de um fogareiro que mandara trazer ao seu quarto.

E ante a estranheza da irmã e de um sobrinho, que assistiam à cena:

 A obra de arte é uma questão de qualidade e não de quantidade. Quem, como eu, prezou o estilo e a forma, deve ter o orgulho de artista do velho Boileau, e o velho Boileau ensina, através de seu Horácio: Policez e repolicez sans cesse.

E como a irmã e o sobrinho, estarrecidos, lhe perguntaram por que destruía no fogo os seus versos, responde com melancolia:

 Não terei tempo de acabar mais nada.

E atirou ao fogareiro a última folha dos originais imperfeitos, fiel à “Profissão de Fé” da página de abertura de suas Poesias:

Torce, aprimora, alteia, lima
A frase. E, enfim,
No verso de ouro, engasta a rima,
Como um rubim.

Quero que a estrofe cristalina,
Dobrada ao jeito
Do ourives, saia da oficina
Sem nenhum defeito...
                                         
                                                                
O último desejo

Prodigioso trabalhador literário, não obstante ter pago tributo largo à vida boêmia na sua mocidade, Olavo Bilac, no seu leito de enfermo, voltava a escrever, sempre que a doença lhe concedia uma pequena trégua, minorando os seus sofrimentos.

A 18 de dezembro de 1918, ao apontar da primeira claridade do dia, ele se ergueu no leito, querendo dirigir-se à mesa de trabalho:

 Já raia a madrugada - disse o doente, reconhecendo a luz do sol a insinuar-se no aposento.

E num pedido;

 Deem-me café. Vou escrever.

Mas as forças lhe faltaram e o poeta, logo depois, sem outra palavra, entrou em agonia.



Do livro “Pequeno Anedotário da Academia Brasileira”,
de Josué Montello.


   

Nenhum comentário:

Postar um comentário