quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Oração de um menino triste



Dizes que sou o futuro;
não me desampares o presente.

Dizes que sou a esperança da paz;
não induzas à guerra.

Dizes que sou a promessa do bem;
não  me confies ao mal.

Dizes que sou a luz dos teus olhos;
não me abandones às trevas.

Não espero somente o teu pão;
dá-me luz e entendimento.

Não desejo tão só a festa do teu carinho;
suplico-te amor com que me eduques.

Não te rogo apenas brinquedos;
peço-te bons exemplos e palavras.

Não sou simples ornamento do teu caminho,
sou alguém que te bate à porta em nome do meus Deus.

Ensina-me o trabalho e a humildade, o devotamento e o perdão.
Compadece-me de mim e orienta-me para o que seja bom e justo.

Corrige-me enquanto é tempo ainda que eu sofra.
Ajuda-me hoje para que amanhã eu não te faça chorar.

Arley Roberto Pereira, 14 anos,
Jornal Folhinha de São Paulo, 6/4/1975.



Nenhum comentário:

Postar um comentário