terça-feira, 22 de novembro de 2016

Os problemas de uma sessão de cinema


20 coisas que não gostamos ao ir ao cinema


01 → Celular ligado durante a sessão:

Poucas situações irritam tanto quanto a luz da tela do celular ligada quando você está concentrado vendo um filme - e este é um mal que acontece com uma frequência cada vez maior. Ok, até entendemos quando a pessoa em questão está aguardando uma ligação ou mensagem importante - neste caso ela rapidamente deixa a sala e atende, para não atrapalhar os demais. Mas, tirando isso, não há perdão! É tão difícil assim ficar sem usar o aparelho por duas horas?

02 → Selfie dentro da sala de cinema:

Esta é uma consequência direta do item anterior. Se já é ruim ser distraído pela luz do celular, imagine quando alguém resolve tirar uma selfie dentro da sala, durante o filme, e solta aquele flash básico que a tudo ilumina? Se a ideia é celebrar a ida ao cinema, custa tirar a selfie ANTES ou DEPOIS da sessão? Os demais agradecem.

03 → Uso do 3D:

Existe uma diferença gritante entre filmes rodados com câmeras 3D e aqueles que, após o término das filmagens, passam por um processo de conversão e, com isso, apresentam uma qualidade pior. Isto muitas vezes provoca um descontentamento com o 3D, desnecessário em vários filmes, mas quase sempre utilizado pelos grandes estúdios para que possa ser cobrado um ingresso mais caro.

04 → Limpeza dos óculos:

A lei prevê que todos os óculos utilizados nas sessões precisam passar por um processo de higienização para quem sejam reaproveitados. Entretanto, nem sempre isto acontece com o cuidado necessário. Conhecemos o caso de uma pessoa que pegou conjuntivite graças aos óculos 3D sujo.

Na França, é possível comprar o seu óculos 3D na própria sala de cinema, por um preço acessível. Desta forma, você mesmo carrega o seu óculos sempre que desejar. Transferir ao espectador a responsabilidade pela limpeza seria uma saída, além de possibilitar um preço menor devido à diminuição do volume a ser higienizado a cada nova sessão realizada. E você ainda teria um souvenir especial para chamar de seu!

05 → Expansão dos filmes dublados:

Aqui o problema é econômico: cada vez mais há cópias dubladas no circuito, deixando as versões legendadas relegadas a horários noturnos (bem tarde) ou a certas localidades. Nada contra o trabalho dos dubladores brasileiros, mas ver a versão original é essencial para compreender na íntegra qual é a proposta do diretor e do elenco ao criar determinado personagem. Sem falar que é um ótimo meio de exercitar o inglês e a própria língua portuguesa, graças à inevitável comparação entre o que se ouve e o que se lê.

06 → Várias salas para o mesmo filme:

Esta é uma situação corriqueira no período do verão americano: você chega ao multiplex com 10 salas (ou mais) e, na prática, apenas três ou quatro filmes estão em exibição. É natural que os filmes de maior procura tenham mais salas, mas muitas vezes o número disponibilizado para um grande lançamento é tão excessivo que nada mais consegue espaço no circuito. A diversidade é essencial para o bom cinéfilo, não apenas pela variedade de gêneros e opiniões, mas também para ter algo mais a assistir após ver o tal blockbuster que a tudo ocupa.

07 → Projeção ruim:

Você chega à sala de cinema, todo empolgado em assistir ao filme e... a projeção não está nada boa. Pode ser problema na iluminação, intensa ou fraca demais, uso da janela errada ou até mesmo fora de foco. Não importa, quaisquer destas opções é suficiente para causar uma forte frustração no espectador.

08 → Cadeiras desconfortáveis:

O conceito do multiplex inclui que as salas de cinema tenham poltronas confortáveis, com apoio para a cabeça e, em alguns casos, até reclináveis (isto sem falar do conforto das salas VIP). Apesar disto, algumas salas têm o sério problema de pouco espaço entre as fileiras, algo incômodo especialmente para quem é mais alto.

09 → Ingressos mais caros:

A expansão do circuito cinematográfico no Brasil é uma ótima notícia! Entretanto, várias das novas salas estão apostando no formato VIP, mais luxuosa, ou com telas gigantescas e áudio potente, tipo IMAX. Ok, é bem verdade que elas são superconfortáveis e de uma qualidade impressionante, mas isto também significa um preço maior - às vezes, até três vezes mais caro que o de uma sala convencional.

10 → Pipoca mais cara que o ingresso:

Este é outro fenômeno que está se tornando cada vez mais comum: o preço do tradicional combo pipoca mais refrigerante (ou água) custa mais caro que o preço do ingresso. Por mais que boa parte do faturamento das exibidoras saia justamente do que é ganho na bombonière, a supervalorização pesa (bastante) no bolso do cinéfilo.

11 → Pessoas conversando durante a sessão:

De vez em quando comentar algo do filme com a pessoa ao seu lado, tudo bem. Faz parte da experiência e até da diversão de ver um filme a dois (ou em grupo). Mas conversar a todo instante, discutindo ou não o que aparece na tela, não dá! Acaba prejudicando todos os que estão à sua volta - que, com razão, muitas vezes soltam o famoso "shhhhh!"

12 → Erros de tradução na legenda:

Este tópico na verdade reúne dois problemas: há os erros de português mesmo, cometidos por uma legendagem mal feita ou que não tenha sido revisada (vide o que acontece em Neruda) e há ainda as adaptações à brasileira feitas por aqui, que em alguns casos ficam ridículas. Um exemplo? A cena de Batman & Robin em que o menino-prodígio grita "Cowabunga!" no original. No Brasil, virou "Ah, eu tô maluco!". É sério!

13 → Excesso de comerciais e trailers:

É bacana assistir a trailers antes da sessão começar. É possível conhecer melhor o que vem por aí e ainda dá um tempinho extra para quem chegou um pouco atrasado. Entretanto, certas exibidoras exageram no material exibido. São vários os casos em que, entre comerciais e trailers, o bloco de anunciantes leva de 20 a 30 minutos!

14 → Ar condicionado defeituoso:

Tem quem vá ao cinema também para aproveitar o ar condicionado da sessão, ainda mais no verão escaldante de algumas cidades brasileiras. E quando o ar está fraco ou simplesmente não funciona? A aglutinação de várias pessoas em um ambiente pequeno e fechado aumenta ainda mais o calor, prejudicando bastante a experiência de assistir a um filme. Outra situação problemática, bem comum na última sessão, é quando o ar condicionado é desligado (ou bastante reduzido) na metade do filme, para economizar eletricidade. E quem pagou o ingresso que aguente o paulatino aquecimento da sala.

15 → Bebês chorando durante a sessão:

É relativamente comum ver pais com bebês em sessões de filmes adultos. Por mais que seja compreensível a vontade do cinéfilo em assistir a determinado filme, mesmo sem ter com quem deixar a criança, é bem complicado quando o bebê abre o berreiro no meio da sessão - e, pior ainda, quando os pais não deixam a sala imediatamente, de forma a minimizar o estrago causado às demais pessoas que, assim como eles, querem assistir ao filme.

16 → Explicar o filme legendado para as crianças:

Este é outro problema crônico com o cinéfilo em formação. Ok, nem sempre a criança consegue ler as legendas na velocidade que surgem na telona, e os pais (ou responsável) que está com ela dá uma força explicando o que acabou de ser dito. Uma vez ou outra tudo bem, mas fazer isto o filme TODO acaba com a paciência de qualquer um que está por perto. Ninguém gosta de ver filme com comentarista.

17 → Banquete no cinema:

Quem nunca levou um lanchinho básico para a sala de cinema, fugindo dos preços cobrados na bombonière? Não há problema algum nisto, desde que haja bom senso. Levar uma pizza gigante para dentro da sala, com direito a refrigerante de dois litros, e ainda organizar tudo isto no espaço limitado de uma poltrona é complicado... também pelo irresistível cheiro que empesteia toda a sala. Abre uma fome.

18 → Pessoas roncando:

Ok, às vezes o filme é tão chato, mas tão chato, que não dá para resistir. Sabe como é, tudo escuro, ar condicionado, poltrona confortável, ambiente propício para tirar um breve sono. Sem problema algum, desde que não atrapalhe quem está ali para assistir ao filme. Ou seja, dormir pode, roncar NÃO!

19 → Excesso de sinais luminosos dentro da sala de cinema:

Por questões de segurança, há vários avisos luminosos que apontam a saída de emergência, extintores de incêndio, que é proibido fumar e os degraus da própria sala (se ela seguir o formato stadium, é claro). Por mais que atendam às recomendações para o bem-estar do público, a quantidade de avisos luminosos por vezes distrai a atenção do que realmente importa: o exibido na telona. Algo parecido com o que acontece quando alguém liga o celular durante a sessão.

20 → Luzes acesas antes do filme terminar:

Nem todo mundo gosta de conferir os créditos finais, nem que seja para conferir se há alguma cena extra escondida. Tudo bem, ninguém é obrigado. Mas as exibidoras também não precisam acender a luz tão logo o filme acaba (às vezes até minutos antes disto acontecer). Além de ser uma falta de respeito com quem está assistindo ao filme, é uma descortesia. A impressão que fica é que o espectador precisa sair dali o quanto antes.

Polêmica! Lugar marcado:

Este é um tema complexo, que divide opiniões. Há quem ame a opção, não apenas para escolher antecipadamente sua cadeira, mas também para poder chegar em cima da hora e encontrar o local vago, apenas esperando sua chegada. Ok.

Existem dois problemas crônicos envolvendo esta questão. Um deles é que, na maioria das salas, é avisado que após o apagar das luzes não há mais lugar marcado - ou seja, cada um senta onde quiser. O outro é que, mesmo quando tudo está aceso, as pessoas muitas vezes não respeitam a reserva de lugar. Em uma sala vazia, onde você pode escolher onde quer sentar, isto não faz tanta diferença. Mas quando há um bom número de pessoas, sim.

Diante disto, é muito comum que haja reclamações e até discussões ásperas sobre quem tem direito a sentar em determinado lugar, muitas vezes durante a exibição do filme. E isto, obviamente, incomoda bastante quem está ali para assistir ao filme. Como se trata de um problema crônico, tem quem prefira a opção anterior, onde não havia lugar marcado. Ao menos assim não havia tanta confusão como tem acontecido ultimamente.

E você, o que prefere?



(Do Blog Adorocinema)




Nenhum comentário:

Postar um comentário