terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Garantias que não interessam



Uma coisa eu posso afirmar: se esta geladeira não for a mais prática e duradoura que existe na praça o senhor pode me cuspir na cara.

Nós dois vamos subir até lá em cima do morro. Leva mais ou menos uma hora. Agora, se aquela vista não for a mais bonita que você já viu e toda sua vida eu me atiro de lá de cima.

Leve em confiança – se, em qualquer tempo, esta fazenda encolher ou desbotar eu engulo ela inteirinha.

Traga sua filha, sua irmã e sua noiva para ver este maravilhoso espetáculo. Garantimos que vão todos morrer de tanto rir.

Aceite esse emprego pelo menos durante seis meses. Se depois desse prazo você não estiver perfeitamente adaptado eu quero me chamar João da Silva.

Fique com as alpercatas de elástico. Ou o senhor nunca mais pensa em usar outro tipo de calçado ou eu sou mico de circo de cavalinhos.

Se a amiga dela não lhe agradar de uma coisa você pode estar certo – você é o sujeito mais chato do mundo.

Se este automóvel não fizer a Rio-Petrópolis em quarenta minutos eu quero ver minha mãe morta.

Que um raio me parta se essa mulher tornar a botar o pé aqui dentro.


(Millôr Fernandes: O Pif-Paf, “O Cruzeiro”, de 1955)


Nenhum comentário:

Postar um comentário