sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

O cigarro eletrônico


    Por Giulia Vidale

Ele faz mal

Mesmo com venda proibida no Brasil, o cigarro eletrônico é encontrado facilmente. Estudos mostram que ele faz mal – inclusive o que contém só essências aromatizantes.

Não é inofensivo

O cigarro eletrônico conte substâncias que podem causar danos irreversíveis ao organismo.



As substâncias tóxicas

Nicotina → É derivada do tabaco. → Efeitos: dependência, taquicardia, arritmia, pressão alta.

Nitrosamina NNN → É derivada da nicotina. → Efeito: causa câncer na boca e no pâncreas.

Acetaldeído → É derivado do etanol e usado na produção de solventes. → Efeito: provoca irritação cutânea, nos olhos e no sistema respiratório.

Tolueno → É derivado do petróleo. → Efeito: irritação nas vias aéreas, letargia e alucinação.

Formaldeído → É derivado da oxidação do metanol e usado na conservação de cadáveres. → Efeitos: asma, coceira nos olhos, irritação na garganta e alteração do sono.

Acroleína → É derivada da desidratação do glicerol; também é formada no preparo de frituras. Efeitos: irritação das vias aéreas e câncer de pulmão.

Diacetil → É derivado da fermentação de bebidas alcoólicas. Efeitos: irritação nos olhos, na pele, no nariz e na garganta.


Fontes: Roswell Park Cancer Institute, Group to Alleviate Smoking Pollution (Gasp) of Colorado e Chemical & Engineering News.


(Revista IstoÉ, novembro de 2016)


Nenhum comentário:

Postar um comentário