quarta-feira, 2 de março de 2016

Promessas conjugais

O noivo escreveu um poema para noiva 
um pouco antes do casamento:


Que feliz eu sou, meu amor!
Domingo, estaremos casados,
O café da manhã na cama,
Um bom suco e pães torrados

Com ovos bem mexidinhos
Antes de eu ir pro trabalho,
Tudo pronto bem cedinho
Pra ainda ires aos mercados.

Depois, regressas a casa,
Rapidinho arrumas tudo
E corres pro teu trabalho
Para começares o teu turno.

Tu sabes bem que, de noite,
Gosto de jantar bem cedo,
De te ver toda bem bonita
Com sorriso ledo e quedo.

Pela noite, minisséries,
Cineminhas dos baratos
E nada, nada de shoppings
Nem de restaurantes caros.

E tu vais cozinhar pra mim
Comidinhas bem caseiras,
Pois não sou dessas pessoas
Que só comem baboseiras...

Já pensaste, minha querida,
Oh! que dias tão gloriosos?
Não te esqueças, meu amor,
Que em breve seremos esposos!


 Como resposta, a noiva escreveu um poema para o noivo:


Que sincero, meu amor!
Que linguagem bem usada!
Tu esperas tanto de mim,
Que me sinto intimidada.

Não sei de ovos mexidos
Como faz tua mãe adorada,
Meu pão torrado se queima
De cozinha, não sei nada!

Gosto muito de dormir
Até tarde, bem relaxada.
Ir a protestos com as amigas
e combater a macharada.*

E sair com minhas amigas,
Comprar roupa da melhor
Sapatos, só exclusivos
E as lingeries pro amor.

Pensa bem... ainda há tempo
A igreja ainda não está paga.
Eu devolvo o meu vestido
E tu, o teu fraque de gala.

E domingo bem, cedinho,
Em vez de andar aos "AIS",
Ponho aviso no jornal
Com letras bem garrafais:

Homem jovem e bonito
Procura escrava bem lerda,
Porque a ex-futura esposa
Decidiu mandá-lo à merda!




P.S. Há, também, a seguinte quadra:

*Gosto muito de dormir
Até tarde, bem relaxada,
Ir ao shopping fazer compras
de Visa, o tarjeta dourada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário