segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Ouvindo falar de Deus



Olhando para os céus e observando as estrelas, ou olhando para as flores e prestando atenção nos seus detalhes, ou, ainda, acompanhando a gestação, o nascimento e crescimento de uma criança, não há como evitar nosso reconhecimento ao Criador da vida. Ouvir sobre as conquistas científicas feitas por Willian Morton, com a descoberta da anestesia cirúrgica, ou por Alexander Fleming, que descobriu a penicilina. Lembrando Howard Florey e Ernst Chain, que conseguiram purificar a penicilina, uma etapa importante para seu uso mais seguro em seres humanos. Von Mehring e Minkowski e a descoberta da insulina; Robert Hooke, que construiu o primeiro microscópio. Alexander Graham Bell, que inventou o telefone e Santos Dumont e a invenção do avião... É ouvir falar de Deus.

Ouvir falar das ações nobilíssimas de madre Teresa de Calcutá e sua dedicação aos pobres em todo o mundo; de Martin Luther King e sua luta pelos direitos dos negros. Lembrar de Kofi Annam, secretário geral da ONU, e sua luta pela paz entre as nações. Pensar em Dalai Lama, e sua pregação pela vida em harmonia; em Shirin Ebadi e seus esforços pela democracia e os direitos humanos, especialmente por sua  luta pelos direitos das mulheres e das crianças, em Chico Xavier e sua vida dedicada à caridade... É ouvir falar de Deus.

Ouvir falar das ações humanitárias da campanha internacional de banimento das minas terrestres e da organização “médicos sem fronteiras”...  É ouvir falar de Deus.

Cada país, cada região do mundo, por intermédio de ditos e feitos nas mais variadas áreas do pensamento e da ação humana, de maior ou menor expressão, terá ouvido falar de Deus, com certeza.

No entanto, a história da humanidade não é feita somente com grandes realizações. Ela é composta, principalmente, pelas ações quase anônimas, que acontecem dentro dos lares, nas relações fraternas entre as pessoas, no dia-a-dia de cada um. Por menores que sejam serão importantes para a vida, desde que nossas ações possam também falar de Deus a quem as presencia ou delas tome conhecimento. Assim, reveja sua autoestima, veja-se na condição de quem está auxiliando na construção do mundo, e nunca diga “impossível” para seus planos, sempre que estiverem alicerçados em bons propósitos.

Pense nisso!

Não existe nada mais horrível do que gente que diz: “é impossível”. Com sua postura altiva reprovam qualquer tentativa. Não veem a menor validade na história da humanidade. Por eles não haveria a invenção do carro, do rádio, da televisão, nem do computador e sua memória. Viveríamos na pré-história.

Se as pessoas que dizem: “impossível”, governassem, o mundo seria um lugar bem sem graça. Descortine a janela da alma com mãos operosas no bem, para que ali se faça mais presente o sol da vida. Retire as vendas do preconceito dos olhos para que possa enxergar a vida em toda a sua verdadeira grandeza, e você entenderá muito bem a assertiva de Jesus de que é preciso ter olhos de ver e ouvidos de ouvir. E, com olhos de ver e ouvidos de ouvir, você mais e mais encontrará Deus em sua vida. “A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original”, ensinou Albert Einstein.


Texto de “O Livro das Virtudes para Crianças”, de Wlliam J Bennett.



Nenhum comentário:

Postar um comentário