sexta-feira, 11 de julho de 2014

Conto Grafológico




É anunciada, a uma grande industrial, a visita de uma pobre parenta, a irmã de sua mãe. Recebe-a friamente:

– Depressa, tia Delfina, tenho muito que fazer. Que deseja?

Tia Delfina põe-se a chorar. Entrara cheia de temor no suntuoso edifício de seu riquíssimo sobrinho, e as duas horas de espera acabaram por aviltá-la.

– Vamos, não percamos tempo, diz o industrial. Com lágrimas nada se resolve. Se veio pedir-me dinheiro, previno-a que não lhe darei.

– Não se trata de dinheiro. Trata-se do meu filho.

– Não há lugar para novos empregados.

– Ora, Pedro! Eu soube que na semana passada houve uma vaga na seção de correspondência. Pelo amor de Deus empregue o meu filho!

– Aqui o grau de parentesco não interessa. Acima de tudo está o interesse da indústria.

– Mas é justamente no interesse da casa que eu lhe peço que empregue o rapaz. Ele é formado em ciências comerciais, fala francês, inglês e alemão, é muito ativo e não tem vícios.

– Está bem. Diga-lhe que me escreva uma carta.

– Já a escreveu. Aqui está.

– Deixe-a comigo. Até logo.

Tia Delfina entrega-lhe a carta e sai quase chorando. O grande industrial é tomado de repentina cólera. Que maçada, que aborrecimento esses parentes, que estão sempre a pedir! E, num ímpeto, pega a carta e, rasgando-a, atira-a para dentro do cesto. Com esse gesto, sua cólera desaparece e considera o fato com mais calma. Se o rapaz possui mesmo tantas qualidades boas, talvez pudesse dar-lhe o emprego almejado. Afinal de contas, tia Delfina é irmã de sua mãe…

Arrependido, torna a pegar a carta rasgada do cesto, recompõe-na e, quase como penitência, escreve-a novamente de seu próprio punho. Depois chama o secretário:

– Envie esta carta para a seção de emprego. O candidato é meu parente, mas não quero preferência. O lugar deve ser dado a quem o merecer.

Duas semanas depois o lugar é ocupado, mas não pelo filho de tia Delfina. Esta pede nova audiência.

– Por que não empregou o meu filho? O lugar foi dado a um jovem rico que não precisa dele. Como farei, agora? A quem devo dirigir-me se você não me quer ajudar?

– Que houve no concurso para o emprego? – diz severamente. – Entre os candidatos havia um certo Eugênio Tavares, bom jovem, formado, muito competente. Por que não lhe deram o lugar?

– Verdadeiramente, senhor – diz humildemente o chefe da seção – esse Eugênio Tavares teria sido o melhor de todos. Mas o senhor ordenou que a caligrafia dos candidatos fosse examinada pelo grafólogo para conhecer o caráter, o que foi feito. Porém, esse exame grafológico revelou que quem a escreveu é um sujeito antipático, desonesto, despótico, malvado e vulgar.


Folco Masucci em O livro que diverte; antologia de anedotas, curiosidades,
Contos humorísticos etc. São Paulo, Leia, 1953. p. 169-171.


Nenhum comentário:

Postar um comentário