quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Histórias de Paraquedistas XXVII


Cagueta, o último dos vilões.


Em 1964, ao servir no antigo Núcleo da Divisão Aeroterrestre, Regimento Santos Dumont, 1ª Cia de Fuzileiros Aeroterrestres, tomei conhecimento de uma palavra que não fazia parte do meu vocabulário: cagueta, que era a corruptela de alcaguete, pessoa que delata outra, dedo-duro, traidor.

Você podia ter qualquer defeito, que até poderia ser perdoado, mas cagueta, nunca! Havia um código de honra entres os soldados. Nunca se entregava um companheiro. Sofria-se com ele, sofria-se por ele, mas entregar um parceiro, jamais!

Vou contar um fato que aconteceu comigo quase no final do ano de 1964, para provar como essa honra de não delatar um camarada é levada até as últimas consequências.
                                            
Faríamos uma competição de patrulhas, valendo pontos e troféu. Saltaríamos na ZL da Air France, na distante e quase desabitada Barra da Tijuca. O exercício duraria em torno de 48 horas, com provas em cada lugar, sendo anotado os pontos por juízes de percurso. Cada tenente da primeira companhia do RSD comandaria um pelotão. O primeiro pelotão, da primeira Cia, o meu, comandado pelo tenente Brandão, já estava completo. Então passei para o segundo pelotão comandado pelo tenente Paulo. Eu não saltaria no primeiro dia, por isso fui ser rec-fitas com outro companheiro, sob o comando do Subtenente Tamanini.             

No dia seguinte, o tenente Paulo levou seus comandados, no qual eu me agreguei, para fazer um exercício final para ajustar alguns ensinamentos. No trabalho comandado pelos seus sargentos, muitos levaram na brincadeira. Eu dei uma rasteira em outro soldado, e o tenente não gostou. Perguntou: “Quem fez essa brincadeira de mau gosto!” Se eu me acusasse, provavelmente, por não ser desse pelotão, seria desligado, e eu queria muito participar desse exercício e dar mais salto, que seria o 11°.

Não me acusei, e o tenente resolveu punir todo o pelotão com castigos físicos exaustivos e intensos. A cada parada, fazia a mesma pergunta: “Quem fez a brincadeira?”. Silêncio. Novos castigos, agora mais fortes e agressivos. Ninguém delatava, ninguém me cobrava nada, nem olhavam para mim. Ninguém queria ser o cagueta da turma. A lei do silêncio imperava em rapazes que sofreriam o que fosse necessário, mas manteriam um código que nunca foi escrito e era um código de honra moral entre os paraquedistas.

O tenente nos olhou com raiva, mas creio que também com orgulho interno, pois sabia que entre seus comandados imperava algo que ele no fundo também admirava. Não havia nenhum delator entre seus comandados.

Voltamos ao alojamento, ninguém me cobrou nada, nunca se tocou no assunto, Só doía a minha consciência, pois queria muito participar e ganhar aquela competição com meus companheiros. Ser mais um soldado paraquedista de fibra e vibração.

No salto do outro dia, o nosso pelotão foi o primeiro em aglutinação ao redor do nosso líder, o tenente Paulo. Tudo deu certo, caminhamos e enfrentamos muitas provas militares. Dormimos no mato, com mosquitos nos azucrinando toda a noite, até chegarmos, finalmente, no RSD.

Hoje, relembro e conto esse fato com sentimento de ver nos rostos dos meus antigos amigos de 50 anos atrás, a solidariedade de jovens que tinham um código moral que lembro, com orgulho, eu ter sido o protagonista, pois só eu poderia ser punido, fazendo que ninguém sofresse por mim, mas ninguém delatou ninguém, prevaleceu, mais uma vez, a mística paraquedista!

Nilo da Silva Moraes
Pqdt 11.779 - do Turno 1964/4


Nilo, primeiro à esquerda, com dois amigos,
antes de salto de patrulha na Barra.

(Você, como soldado, pode ficar apenas um ano 
na Brigada de Infantaria Paraquedista, 
mas a Brigada ficará por a vida dentro de você.)


3 comentários:

  1. De uma brincadeira, eu vejo alguns ensinamentos, primeiro a lealdade do grupo, ali naquele momento era um por todos e todos por um, e segundo o orgulho do comandante que estava diante de jovens fortes e determinados para qualquer batalha, por estas razões que Os PARAQUEDISTAS, são diferenciados.

    ResponderExcluir
  2. Nilo querido Amigo,no ano passado enquanto aguardava o desfile da nossa Gloriosa Brigada ,comprei de você um almanaque do grafonsos do qual não me canso de ler,tentei conseguir seu telefone para te agradecer a oportunidade mas foi impossível espero encontrar você algum dia para agradecer pessoalmente, um abraço ,Roberto pqd 13500 65/6

    ResponderExcluir
  3. Meu irmão PQD, José Roberto Silva, esterei novamente, este ano, no Encontrão da Brigada que será no dia 26 de novembro.
    Estarei sentado na mesma arquibancada, defronte ao QG. Mantenha contato comigo: (051) 3248.5981 ( Porto Alegre-RS)

    ResponderExcluir