sábado, 12 de abril de 2014

O Brasil Anedótico

Frases históricas que resumem a crônica
do Brasil - Colônia, do Brasil - Império e do Brasil - República.

Humberto de Campos


CAXIAS E A SUA TROPA

Taunay - Homens e Coisas do Império, pág. 112

O Duque de Caxias, quando em campanha, fazia questão de sofrer as mesmas agruras e correr os mesmos riscos que os seus soldados. Uma tarde, em Lomas Valentinas, estava ele, completamente molhado, sob uma laranjeira, esperando o momento do ataque, quando uma ordenança se aproximou, trazendo à mão, com cuidado, uma fumegante xícara de café.
 Aqui está  disse  que o Sr. Dr. Bonifácio de Abreu mandou para V. Excia., e ordenou-me que não deixasse cair um pingo no chão.
O marechal fitou-o pausadamente.
 Eu não quero,  respondeu, afinal.
E para o soldado, abrandando a voz:
 Beba-o você, camarada.


O ORGULHO DE ALENCAR

Taunay - Reminiscências, vol. I, pág. 109

O Imperador Pedro II não tinha grandes simpatias pessoais por José de Alencar. Porque este o houvesse ferido por mais de uma vez pela imprensa, ou porque lhe fizesse mal o amor-próprio, ou melhor, o orgulho do escritor, foi o soberano contrário, desde o princípio, à candidatura do seu ministro da Justiça à cadeira de senador pelo Ceará. No dia em que este lhe foi comunicar que era candidato, o monarca objetou-lhe:
 No seu caso, não me apresentava agora: o senhor é muito moço...
Alencar, num daqueles repentes que lhe eram habituais, não se conteve.
 Por esta razão,  disse  Vossa Majestade devia ter devolvido o ato que o declarou maior antes da idade legal...
E tomando conta de si:
 Entretanto, ninguém até hoje deu mais lustre ao governo...
O Imperador não lhe perdoou, jamais, esse ímpeto, vetando, como se viu depois, o seu nome, que era o mais votado da lista.

FRANQUEZA E PRUDENCIA

Salvador de Mendonça - Artigo n'O Imparcial – 1913

Professor das princesas, filhas de Pedro II, Joaquim Manuel de Macedo, o célebre romancista de A Moreninha, desempenhava o seu mandato de deputado geral, quando o conselheiro Francisco José Furtado, organizador do gabinete Liberal de 31 de agosto de 1864, o convidou para a pasta dos Estrangeiros. Recusada a honra, mandou o Imperador chamar o escritor à sua presença, e indagou o motivo do seu gesto, quando possuía tantas qualidades para ser um bom ministro.
 Admita-se que eu tenha as qualidades que Vossa Majestade me atribui,  respondeu Macedo:  mas eu não sou rico, requisito indispensável a um ministro que queira ser independente.
E decidido:
 Eu não quero sair do Ministério endividado ou ladrão!


OS "HISTÓRICOS"

Ernesto Sena - Deodoro, pág. 149

O marechal Deodoro jamais contestou que, até às vésperas de 15 de novembro tivesse servido devotadamente ao Imperador. A sua adesão às idéias de Benjamim data, talvez, de 10 a 12 daquele mês.
Certo dia, já presidente, recebeu Deodoro no Itamaraty um cavalheiro que alegava ser republicano de longa data, batendo-se pela República desde 1875.
 Pois eu, meu caro senhor, não dato de tão longe.
E pachorrentamente:
 Eu sou republicano de 15 de novembro, e o meu irmão Hermes de 17!


O "BAILE DE MÂSCARAS"

Aluísio de Castro - Discurso na Academia Brasileira de Letras, 1918

Em um encontro na Livraria Garnier, apresentara Francisco de Castro o seu filho Aluísio, ainda estudante, a Machado de Assis. Vendo quase homem aquele que vira recém-nascido, Machado sentenciou, triste:
 A vida é um baile de máscaras; uns vão saindo depois dos outros.
E com voz meio gaguejada:
 Já me sinto no fim do baile...

OS SAPATOS VERMELHOS

Osvaldo Cruz - Discurso na Academia Brasileira de Letras, 1913

O temor de lavrar uma sentença injusta, fizera de Raimundo Correia um tímido, um irresoluto, diante das menores coisas da vida. Saltara ele em uma estação da Central rumo de Minas, a fim de comprar um par de sapatos para uma das filhas, quando se pôs a conjeturar:
 Deve ser azul... É melhor... é cor do céu... as moças gostam mais do azul...
E pegando em outro:
 Ou vermelho?... É a cor da alegria... do sangue... da mocidade...
O trem apitou.
 Vai o azul. Embrulhe o azul!
Correu a tomar o carro, que já se punha em marcha. E já da janela do vagão, agitando um embrulho, para uns amigos que o tinham ido abraçar na passagem:
  Antes tivesse trazido os vermelhos!...


A CORAGEM DO ALMIRANTE

Augusto de Lima - Discurso na Academia Brasileira de Letras, 1923

Comandava Saldanha da Gama uma das unidades da nossa esquadra quando, um dia, mandou aplicar algumas dezenas de chibatadas em um grumete de catadura feroz, o mais indisciplinado, talvez, do navio. Ao sofrer a pena, o marujo, com o corpo lanhado, sangrando e babando, jurou que, na primeira oportunidade, se vingaria do comandante, vibrando-lhe quatro punhaladas. Saldanha mandou-o vir imediatamente à sua presença, no seu camarote. O marujo apresentou-se.
 Entra! Ordenou-lhe.
 Às ordens, "seu" comandante.
Saldanha fechou a porta por dentro, ficando aí apenas os dois.
 Faze-me a barba,  mandou, sentando-se, e indicando-lhe a navalha.
O marinheiro obedeceu. Mas de tal forma lhe tremia a mão, que estacou.
 Então?!  fez o comandante, reclamando.
E o grumete:
 Não posso mais, "seu" comandante... Tenho medo de "amolestá vossenhoria"!
E caiu de joelhos, em pranto, beijando-lhe as mãos.


O HOMEM E A NATUREZA

Alfredo Pujol - Machado de Assis, pág. 60.

Ao iniciar Machado de Assis a publicação, em folhetins diários, do seu romance A mão e a luva, Francisco Ramos Paz, um dos seus poucos amigos e seu confidente literário, lembrou-lhe a conveniência de descrever, em um dos capítulos da obra, o soberbo parque do Conde de São Mamede, no Cosme Velho.
 A natureza inspirará uma bela página ao teu romance... - disse-lhe.
Machado recusou, porém, de pronto.
 A natureza não me interessa...
E definindo-se:
 O que me interessa é o homem!


TODOS MALUCOS

Tobias Barreto - O Jornal, 5 de dezembro de 1925

Encarregado de promover, na madrugada de 16 de novembro, o embarque da família imperial a bordo do Parnaíba, o coronel Mallet foi desobrigar-se da sua missão, no Paço.
 Que é isto? Então vou embarcar a esta hora da noite? - exclamou o velho Imperador.
Mallet adiantou-se, com ar respeitoso:
 O governo pede a Vossa Majestade que embarque antes da madrugada. Assim convém.
 Que governo? - indagou o monarca.
 O governo da República, - informou o oficial.
 Deodoro também está metido nisso?
 Está, sim senhor; é ele o chefe do governo.
E o Imperador, num espanto:
 Estão todos malucos!...


A EXPERIÊNCIA DE UM MORALISTA

Moreira de Azevedo - "Mosaico Brasileiro", pág. 135.

Ao contrário do que se pode concluir das suas máximas, o marquês de Maricá não era um homem sisudo, grave, conceituoso, na palestra. Gostava de pilheriar com finura, tendo deixado, nesse terreno, alguns ditos interessantes.
Certo dia, estava ele à mesa, quando recebeu uma participação de casamento.
 Vamos, marquesa, - disse, pondo-se de pé; vamos quanto antes dar os parabéns aos noivos. Bom será que seja hoje mesmo.
 Hoje, marquês? Por que tanta pressa?
 Para não acontecer - respondeu ele, - o que sempre acontece; isto é, dar-se parabéns quando os noivos já estão arrependidos.


O LENÇOL DO PATRIARCA

Moreira de Azevedo - Mosaico Brasileiro, pág. 112

Achava-se José Bonifácio enfermo em Niterói, quando um amigo, que o vira no fastígio político, o foi visitar ali, velho, esquecido, abandonado. Ao penetrar no aposento, notou logo a modéstia do ambiente, e, sobretudo, os remendos do lençol que cobria o leito de pobre.
 Não repare  desculpou-se o patriarca.
E passando a mão pelo lençol:
 O que afeia estes bordados é apenas a irregularidade do desenho...


A DEMISSÃO DE CUSTÓDIO

Serzedelo Correia - "Páginas do Passado", pág. 13.

Em uma das reuniões do ministério, com Floriano no governo, Custódio José de Melo, ministro da Marinha, propôs que se telegrafasse ao Marechal Moura, ministro da Guerra, então no Rio Grande, dando-lhe instruções para a pacificação do Sul. Floriano aceitou o alvitre, combinou o texto do telegrama e, no despacho seguinte, Custódio o interpelou.
Então, telegrafou ao Moura?
 Não, - respondeu Floriano, seco; - mudei de opinião.
O almirante estranhou:
 Como?  V. Excia. não podia mudar de opinião; era assunto resolvido por todo o ministério.
 Mas mudei,  tornou o ditador.  Se o senhor quer a presidência da República, eu lhe passo o poder.
 Não, isso, não;  volveu Custódio.
E dando a sua demissão:
 Se eu quisesse a presidência da República, quando tinha os canhões do Aquidaban voltados para a cidade, não teria vindo ser ministro da Marinha no seu governo!


CONSCIÊNCIA DE PAI

Múcio Teixeira - "Os Gaúchos", vol. I, pág. 229.

Comandava o Coronel Emílio Mallet. Barão de Tapevi, um regimento de artilharia em frente a Paissandu, quando recebeu ordem de atravessar o rio e atacar o exército paraguaio, acampado na outra margem. Um dos seus filhos era o porta-bandeira e o outro, João Nepomuceno, que chegou a marechal, comandava a primeira ala.
Ao receber a ordem, o comandante reuniu a oficialidade, e expôs-lhes a situação da sua consciência.
 Meus filhos  disse  devem ser os primeiros a atravessar o rio, devido à posição que ocupam no regimento; mas estou indeciso, porque, se os mando na frente, poderão dizer que quero enchê-los de glória; e se os retirar para a retaguarda, pensarão talvez que procuro poupar-lhes a vida.
Resolveu, porém, que eles iriam à frente. Um, morreu. Outro, foi o primeiro a pisar território inimigo.


DILÚVIO DE LAMA

Araripe Júnior - "Revista da Academia Brasileira de Letras", n° 39, pág. 252.

Nos fins de 1895, a neurastenia de Raul Pompéia havia se acentuado de modo impressionante. Na tarde de 23 de dezembro, encontrando-se com Araripe Júnior no largo de São Francisco, deixou extravasar todo o seu nojo pela vida e pelos homens.
 Lama! - dizia.  Sinto lama podre até nas conjunções da frase, quando penso.
E logo:
 Capacite-se de uma coisa. No Brasil só há um ato digno para um homem honrado: pegar de um revólver e salpicar com os miolos esta terra sinistra, e pulha, ao mesmo tempo!
No dia seguinte, matava-se, com um tiro no coração.



 Humberto de Campos


Nenhum comentário:

Postar um comentário