sábado, 5 de abril de 2014

Boateiro incorrigível



  

Foi nos tempos da marfadada revolução. Tinha um camarada que fazia boato de tudo num botequinho que freqeentava em São Paulo. Inventava coisas do governo militar, de autoridades.

Acontece que, desse barzinho, um coronel que estava sempre à paisana era também freguês. E, portanto, sabedor e até ouvinte assíduo do boateiro. Ninguém naquele boteco sabia que ele era coronel do nosso glorioso Exército.

Mas os boatos do tal amigo foram de certa forma chegando ao exagero e, com isso, no bom palavreado, enchendo o saco do bom militar. Daí o tal coronel resolve fazer uma brincadeira corretiva com o boateiro. Simulou uma operação militar, com jipes, metralhadoras e pessoal fardado. Pois bem. Era de tardezinha, nosso amigo dos boatos falava as suas e eis que, de repente, surge aquela operação militar de araque. Coronel (fardado e bravo):

– O senhor está preso por causa dos boatos referentes ao Exército!

Levam o dito-cujo, simulam um júri e a condenação: morte por fuzilamento. Isso posto, lá está o nosso amigo num paredão e na sua frente cinco fuzileiros (armas com balas de festim, claro). Disparam, e o susto foi o pretendido. O coronel se aproxima, ainda bravo:

– Isso é só pro senhor aprender a não falar mal das Forças Armadas!

No outro dia, lá está o querido boateiro, no mesmo botequim. Alguns clientes e amigos  se  aproximam  para  saber  do  efeito  da  bronca do militar. O nosso amigo boateiro chama todos para cochichar:

– Olha,  pessoal.  Não  contem  pra  ninguém. Mas o nosso Exército está totalmente sem munição!



Adaptado de Contando Causos, de Rolando Boldrin,
(Nova Alexandria, 2001).



Conto Minimalista


O espelho inquietava o fundo do corredor.

         Narciso abriu a porta do corredor de sua casa e entrou. No lusco-fusco, viu um vulto que vinha em sua direção. Em zigue-zague, Narciso avançou contra o estranho e fez dois disparos.
          Atraído pelos estampidos, o policial do quarteirão veio correndo; foi até o fundo do corredor e, imediatamente, retornou, trazendo consigo, um espelho com dois furos de bala...


Jair Teixeira


Nenhum comentário:

Postar um comentário