sexta-feira, 6 de junho de 2014

Eu colheria mais flores



Don Herold*

(9 de julho de 1889 - 1 de junho de 1966)
Foi um humorista, escritor, ilustrador e cartunista estadunidense.


É claro que não se pode desfritar um ovo, mas não há lei que proíba de pensar no assunto.

Se eu pudesse recomeçar minha vida, tentaria cometer mais erros. Viveria mais despreocupado. Seria mais fútil do que fui nesta jornada. Sei de poucas coisas que eu tomaria a sério. Eu seria menos higiênico. Iria a mais lugares. Escalaria montanhas e nadaria em mais rios. Tomaria mais sorvetes e comeria menos cereais. Teria mais preocupações reais e menos preocupações imaginárias.

Vocês compreendem, eu fui um desses sujeitos que levam uma vida prudente e sadia, hora após hora, dia após dia. Tive meus bons momentos, mas se eu pudesse fazer tudo de novo, teria mais desses momentos, muitos mais. Nunca vou a lugar algum sem um termômetro, um gargarejo, uma capa de borracha e um paraquedas. Se eu pudesse fazer tudo de novo, viajaria com menos bagagem.

Talvez seja tarde demais para um cachorro velho desaprender os velhos truques, mas talvez uma palavra de menos juízo venha a servir de alguma ajuda para uma geração futura, ajudando-a a cair em algumas das ciladas que eu evitei.

Se eu pudesse recomeçar minha vida, daria menos atenção às pessoas que pregam o esforço contínuo. Neste mundo de especialização, nós temos, naturalmente, uma superabundância de indivíduos que nos clamam que levemos a sério sua própria especialidade. Dizem-nos que temos de aprender Latim ou História, senão seremos uns desgraçados, arruinados, reprovados, fracassados. Depois de uns doze ou mais desses protagonistas terem exercido sua ação sobre um espírito jovem, é provável que o deixem com sérias dificuldades para a vida. Queria que eles me tivessem convencido de que Latim e História eram divertidos.

Procuraria mais professores que incentivassem o descanso e os divertimentos. Felizmente tive alguns assim, e acho que foram eles que me impediram de levar a breca completamente. Foi com eles que aprendi a colher as poucas e míseras flores que colhi pelo caminho ingrato da vida.

Se eu pudesse recomeçar minha vida, começaria a andar descalço desde o começo da primavera, e continuaria até o fim do outono. Mataria aula mais vezes, jogaria mais bolinhas de papel nos professores. Teria mais cachorros. Deitaria mais tarde. Teria mais namoradas. Pescaria mais. Iria mais ao circo. Iria a mais bailes. Andaria em mais cavalinhos de pau. Seria despreocupado o mais possível, ou pelo menos, até ter alguma preocupação – em vez de procurar adiantadamente.

A seriedade provoca mais erros do que a alegria. Os atritos da vida de uma família vêm, em geral, mais nos momentos de grande seriedade do que nos momentos de alegria. Para dar um exemplo em ponto grande: como seria melhor se as nações, em vez de declararem guerras, declarassem festivais internacionais!

Num mundo em que toda a gente parece obcecada pela gravidade da situação, eu me levantaria para cantar a leveza da situação. Pois eu concordo com Will Durant em que “a jovialidade é mais sábia do que a sabedoria”.

Duvido, entretanto, que eu cause muito dano com o meu credo. A oposição é bastante forte. Há muita gente séria tentando fazer com que todo o resto do mundo fique sério também.


Seleções do Reader´s Digest – Fevereiro de 1954


Poema adaptado de uma prosa de Don Herold, “I‘d Pick More Daisies” (Eu colheria mais margaridas) de 1953.

Don Herold (1889-1966) foi um humorista, escritor, ilustrador e cartunista estadunidense.

Quando nos últimos dias de sua vida, Nadine Stair de Louisville, Kentucky, de 85 anos, foi perguntada sobre o que faria se pudesse viver sua vida novamente. Ela disse:

"Se pudesse viver minha vida de novo, eu trataria de cometer mais erros na próxima vez. Seria mais relaxada. Seria mais flexível. Seria mais tola do que fui nesta viagem. Não levaria as coisas tão a sério. Correria mais riscos, conheceria mais lugares, escalaria mais montanhas, nadaria em mais rios. Tomaria mais sorvete, comeria menos vagem. Talvez tivesse mais problemas concretos, mas teria menos problemas imaginários. Afinal, fui uma dessas pessoas sensatas e equilibradas, horas e horas, dia após dia.

Tive meus momentos, é claro. Só que se tivesse de fazer tudo de novo, teria mais problemas assim. Na verdade, tentaria não ter outra coisa – apenas mais momentos, um depois do outro, em vez de viver tantos anos à frente de cada dia. Fui uma dessas pessoas que nunca vai à parte alguma sem um termômetro, uma bolsa de água quente, uma capa e um pára-quedas. Se pudesse fazer de novo, levaria menos coisas.

Se pudesse de viver minha vida outra vez, começaria a andar descalça mais cedo na primavera, e continuaria assim pelo outono. Eu iria a mais bailes, andaria mais em carrosséis, e colheria mais margaridas."

Poema atribuído à Nadine Stair, mas, Nadine Stair e seus descendentes nunca reclamaram por direitos autorais sobre o poema, foram exaustivamente procurados e não encontrados.

Afinal, quem iria colher mais margaridas?

Pequeno histórico da polêmica sobre a autoria deste texto

Em 1975 – a prosa lírica “If I Had My Life to Live Over” (Se eu pudesse viver minha vida de novo) foi publicada pela Associação de Psicologia Humanista no Boletim Informativo de Julho deste ano, nos EUA, e em seguida em outras publicações como ‘The Family Circle’ (1978), e todas citam o texto como que de autoria de uma senhora de 85 anos de Louisville, Kentucky, chamada Nadine Stair.

Stair. Você pode ver aqui:

http://www.ahpweb.org/pub/newsletter_archives/archive_pdfs/1975/07-75.pdf



Nenhum comentário:

Postar um comentário