quinta-feira, 21 de julho de 2016

Os jogos de bolita



Foto de Alceu Feijó


Os meus contemporâneos e até mais jovens lembram-se desta verdadeira febre entre os guris do tempo das calças curtas e uso de suspensório, pés descalços, cabelos rapados, caminhos de rato, com um topete a la Ronaldo da copa (imitou-nos?).

O corte de cabelos era feito em casa por nosso pai, sábados, depois do banho, com uma máquina que já havia cortado os cabelos de todos os irmãos. Quando chegou a minha vez, não tinha mais fio. Era um suplício, eis que muitos fios eram literalmente arrancados.

Espero que gostem.

O jogo de bolas de gude (bolitas) representava uma verdadeira febre entre os amigos da época. Marcou muito nossa infância. Segundo os mais velhos, antigamente o jogo era feito com as bolitas de vidro que vedavam as garrafas de “gasosa”, refrigerante de limão. As bolitas eram retiradas quebrando-se as garrafas… Muita chinelada deve ter sido dada pelas garrafas quebradas para confeccionar as bolitas. Mais tarde eram vendidas nos armazéns e botecos.

Era jogado num terreno preferencialmente plano, onde se desenhava um triângulo em que eram postas as bolitas e uma linha reta a certa distância do mesmo, chamada de raia. Cada jogador lançava sua “joga” o mais próximo possível da linha. Quem ficasse mais próximo era o primeiro a jogar. Os jogadores deveriam acertar as bolitas do triângulo e aquelas que saíssem eram suas. Levava vantagem aquele que tivesse a melhor mira.

Tínhamos colegas exímios na arte de acertar e esta fama logo se espalhava na localidade, pois “pelavam” os adversários em poucas horas, isto quando o jogo era considerado “às deva” ou “verdas” e quando não valia nada era “às brincas”. Termos usados naquela época, que significavam apostas de perder ou ganhar as bolinhas de gude que o jogador conseguisse acertar e tirá-las do triângulo e o outro termo quando não havia aposta, era jogo de brincadeira.

Nem sempre a jogadeira ou “joga” era a bolita mais vistosa. Muitos raspavam a “joga” para ficar áspera e não escorregar na hora da jogada. Alguns usavam uma joga de aço, tirada de rolamentos velhos, que muitas vezes era proibida, pois seguidamente quebrava as outras bolitas.

As bolitas mais bonitas, que chamávamos de argentinas, tinham desenhos internos no vidro. Os meninos mais abonados tinham bolitas alemãs, de ágata. Tinha também os bolões, que eram bolitas com o dobro de diâmetro das normais.

No jogo, a mira era feita com a bola colocada na ponta do indicador e impulsionada pela unha do polegar. Quem jogava assim era considerado um ás…Os que mantinham a bolita acomodada no interior do indicador e impulsionada pela unha do polegar, dizia-se que jogava “cu de galinha”…

Nos jogos “às ganha” aconteciam muitas discussões e brigas entre a gurizada. Ninguém gostava de perder, senão teria que comprá-las no armazém e nem sempre o pai liberava os “pilas”, como chamávamos o dinheiro daquele tempo. Era muito escasso.

As bolinhas eram carregadas num saquinho de pano, que as mães costuravam em casa. Não trazíamos todo o estoque para os jogos. As mais bonitas ficavam numa caixa que servia de depósito. As argentinas, famosas pelo colorido, quando colocadas para serem apostadas no jogo, conforme o estado, por exemplo, novinha valia duas ou mais das comuns. O troco era dado na hora. As lascadas não valiam quase nada. Para cada bolinha nova, eram colocadas diversas danificadas. As regras do jogo todos conheciam.

Brincadeiras muito comuns nas casas dos amigos e na escola. Antes de entrar na sala de aula, o professor recolhia os sacos de bolita, pois fazia muito barulho e atrapalhavam as aulas. No fim eram devolvidas…

Nunca fui muito bom nesta prática, pois jogava “cu de galinha”, comum para quem aprendia quando criança. Jogava somente “às brincas”, não iria me meter com os “cobras” da bolinha de gude. Eram certeiros na pontaria, acertavam de longe e geralmente “pelavam” as bolitas daqueles que não tinham a mesma habilidade.


(Do Blog do Clovis)




Um comentário:

  1. Li esse texto com uma alegria, de recordar meu tempo de moleque, joguei muito, quase sempre as ganhas, eu tenho uma recordação fantástica, pelo menos pra mim, eu morava no interior, e um primo da capital foi passar as férias na nossa casa, ele trouxe bolinhas de gude que nunca tinha visto, coloridas novas uma preciosidade, claro que eu desafiei, em resumo rapei ele, o restante das férias tentou reaver mas não conseguiu, agora imaginem quando começou às aulas, só eu tinha bolinhas diferente, que tempo bom, sinto saudade

    ResponderExcluir