quinta-feira, 16 de outubro de 2014

História do Parque Farroupilha




Þ Potreiro da Várzea: O Parque Farroupilha foi assim chamado há muito tempo, e antes era menos ainda: um banhado. Os agricultores não a ocuparam, aquela várzea fora refugada para qualquer fim. Por isso Paulo José da Silva Gama, em 1807, resolveu doá-la à Câmara, satisfazendo um pedido desta, datado de 23 de fevereiro. O documento diz explicitamente que é “para os utilíssimos e necessários fins de conservação de gados que se matam nos açougues desta vila”. Assim, Paulo José da Silva Gama foi o governador que proveu a cidade da maior área para uso público. Durante muitos anos ela deve ter sido usada para exercícios militares e para a sua função inicial. Mesmo as plantas da metade do século ainda a denominavam de Potreiro da Várzea.

Þ Campos do Bom Fim: A presença da Igreja de Nosso Senhor do Bom Fim, no alinhamento nordeste e as festas religiosas que ali se realizavam emprestou à área o nome de Campos do Bom Fim que só foi modificado em 1884. Mas antes desta mudança, ainda com o nome de Campos do Bom Fim, a grande várzea vai receber, em trecho do seu alinhamento sul, a maior construção da época para servir de quartel aos corpos estacionados nesta capital. A pedra fundamental do edifício, que mais tarde seria a Escola Militar, foi colocado em 29 de abril de 1872.

Þ Campos da Redenção: Era a época da luta abolicionista. Recentemente os negros haviam participado na Guerra do Paraguai, primeiro choque de prova do novíssimo exército brasileiro. Em 1871 fora aprovada a Lei do Ventre Livre, declarando não escravos os negros que nascessem daquela data em diante. No dia 9 de setembro de 1884, homenageando a libertação dos escravos, a Câmara de Porto Alegre propõe a mudança da denominação de Campos do Bom Fim para Campos da Redenção.

Þ Parque Farroupilha: A comemoração do centenário da Revolução Farroupilha (1835-1935) foi um acontecimento grandioso, à altura do significado social e político da grande epopéia rio-grandense. Para a grande data, uma grande exposição. E foi escolhido o campo da Redenção para instalar os pavilhões, que somente foram ser demolidos em 1939, mudando, por esse fato, para Parque Farroupilha. Nome dado na véspera da inauguração da Exposição do Centenário da Revolução Farroupilha – 19 de setembro de 1935 – que o major Alberto Bins, então Prefeito Municipal de Porto Alegre, assina o Decreto n° 307, cujo artigo 1° se refere ao Parque Farroupilha.

Significação atual


Depois de quase dois séculos, precisamente após 197 anos, o Potreiro da Várzea deixou bem pouco para uso público. Os dois parques restantes – Parque Farroupilha e Parque Paulo Gama (unidos atualmente num só) – somam 42,5 ha dos 69 iniciais, concedidos em 1807 pelo governador Paulo José da Silva Gama. Significam, apenas, 60,54% da área inicial.

Assim se apresenta o Parque Farroupilha, objeto das atenções e do carinho do porto-alegrense e motivo de atração para visitantes e turistas. Cada um de nós é, hoje, responsável pelo parque.


(Do livro: “Porto Alegre – história e vida da cidade”,
de Riopardense de Macedo)



Parque Farroupilha - anos 50 - por Sioma Breitman



Nenhum comentário:

Postar um comentário