quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Tenha um dia perfeito



Meu professor da quinta série era um homem imenso. Tinha 1,85m de altura e pesava 120 quilos. Às vezes, gritava de repente em sala:

- Silêncio!

Então, escrevia no quadro-negro com letras grandes as palavras NÃO POSSO. Virava-se para a turma e perguntava:

- E agora, o que devemos fazer?

Como já sabíamos o que ele queria ouvir, respondíamos em coro:

- Apagar a palavra NÃO!

Com um gesto majestoso ele apagava, deixando apenas a palavra POSSO. Ao limpar o giz dos dedos, dizia:

- Que isso seja uma lição para vocês... vocês PODEM, se pensarem que podem.

* * * * * * *

Conheci um homem que estava sempre dizendo:

- Sabe, estou meio inclinado a fazer isto ou aquilo.

Eu lhe disse:

- Amigo, você é um homem de meias intenções. Tudo o que pensa em fazer só está meio disposto a fazê-lo. Ninguém chega a lugar algum com meias intenções.

O sucesso exige uma entrega total, a mente toda. O meu amigo tornou-se uma pessoa completa e atingiu o sucesso total.

* * * * * * *

Só existe uma pessoa com quem você tem que competir: você mesmo. Procure superar seu melhor desempenho e esforçar-se para alcançar níveis superiores. Se está sempre se comparando a outras pessoas, fatalmente o ressentimento e antipatia tomarão conta de você. Como resultado a tensão aumenta, você perde o ritmo e seu desempenho será pior. Lembre-se do desafio de Thomas Edison: “Há um caminho melhor. Descubra-o”.

* * * * * * *

Seja você mesmo. Ser conformista é uma das maiores desonestidades. Quando rejeitamos aquilo que nos torna especiais, enfraquecemos a individualidade e singularidade que Deus nos deu, começamos a perder nossa liberdade. O conformista nunca é um homem livre. Ele tem que seguir o rebanho. Precisamos de um número maior de pessoas “diferentes”, que não se submetem facilmente aos padrões de comportamento estabelecidos, pessoas que não tenham medo de ser “diferente”. Os homens e as mulheres desse tipo são quase sempre pessoas “diferentes”, porque não têm medo de serem eles mesmos independentemente do que está na moda.

* * * * * * *

Lembro-me, nos meus tempos de colégio, de um quadro que havia numa sala de aula que retratava uma praia deserta, a maré baixa e um barco encalhado na areia. Poucas coisas são mais deprimentes de que um barco encalhado por causa da maré baixa. A legenda embaixo dizia: “Lembre-se, a maré sempre volta.” Há um fluxo e refluxo nas vicissitudes da vida humana. Não desista nunca, nem mesmo quando tudo estiver dando errado e você não estiver aguentando mais. A maré vai mudar.

Tenho um amigo que adora cachorros. Maninho, seu cachorro predileto, acompanha-o a todos os lugares. Certa vez, o meu amigo teve que ir a uma cidade vizinha a negócios. Escreveu para o hotel perguntando se podia levar o cachorro e recebeu a seguinte resposta:

Prezado Senhor,

Sem dúvida alguma, traga seu cachorro Maninho com o senhor. Os cachorros são muito bem-vindos neste hotel. Nunca tive que expulsar um cachorro indisciplinado no meio da noite. Um cachorro jamais ficou bêbado e deixou meus móveis de pernas para o ar. Nenhum cachorro jamais pegou no sono com um cigarro aceso e botou fogo no colchão, nem deixou marcas de copos nas cômodas. Até hoje, nunca encontrei uma toalha ou um cinzeiro na mala de um cachorro. Por isso, traga seu cachorro.
        
P.S. O senhor pode vir também, se o cachorro responsabilizar-se pelo senhor.

* * * * * * *

O calor mental e espiritual criado pelo entusiasmo pode acabar com a apatia trazida pelo fracasso em qualquer indivíduo, e libertar qualidades pessoais até então adormecidas ou mesmo desconhecidas. O presidente de uma grande empresa afirma:

- Se estou na dúvida entre dois homens de capacidades iguais e um deles tem entusiasmo, sei que este irá mais longe do que o outro, porque o entusiasmo é uma força libertadora. O entusiasmo é contagiante, passa para tudo que está em volta.

* * * * * * *

Então você cometeu um erro? E quem não comete? Talvez ache que seja um erro muito grave. Sempre gostei da seguinte passagem de Grove Patterson, um famoso jornalista:

     “Um garoto... recostado na grade de uma ponte via o rio passar lá embaixo. Às vezes, a correnteza passava mais rapidamente e depois bem devagar, mas o rio fluía sempre sob a ponte. Olhando o rio naquele dia, o garoto descobriu algo. Não foi uma descoberta material, que pudesse ser tocada Ele nem ao menos podia vê-la. Descobrira uma ideia. De súbito, e ainda assim calmamente, descobriu que tudo nessa vida vai, algum dia, passar sob a ponte e será levado como a água... A partir de então, passou a não se preocupar excessivamente com os seus erros e com certeza não deixou que eles o desanimassem, porque nada mais eram do que água sob a ponte.”

* * * * * * *

Um velho lavrador chinês caminhava pela estrada com uma vareta no ombro. Pendurado na vareta havia um pote com sopa de soja. Ele tropeçou, o pote caiu e se quebrou. O lavrador continuou andando tranquilamente. Um homem correu em sua direção e disse, agitado:

- O senhor sabia que seu pote quebrou?

- Sabia – respondeu o lavrador. – Ouvi-o cair.

- Por que o senhor não voltou e fez alguma coisa?

- Está quebrado; a sopa derramou, o que posso fazer? – perguntou o velho.

ß

(Do livro “Tenha um dia perfeito”,
de Norman Vicent Peale)




Nenhum comentário:

Postar um comentário