segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Frases e poemas de Álvaro Moreyra

(1888 – 1964)


“Para fazer um céu basta uma estrela...”

“Saudade de ser embalado. Insônia é isso.”

“Sereno... orvalho... relento... Os mortos choram por nós nas noites claras.”

“A eternidade é a vida de cada um. Na vida de cada um quantas eternidades!”

“O meu maior prazer é mudar de opinião. Com esse prazer, vou evitando a velhice.”

“Só nos jardins há amores perfeitos. Só nos jardins os cravos não são para crucificar ou para ferrar. E as rosas, que sinceridade!”

“Eu tenho pena é do meu anjo da guarda. Coitado! Teve que vir comigo...”

“As minhas rosas se esqueceram de que tinham espinhos. As minhas abelhas se esqueceram de que tinham ferrões.”

“Não é a Lua que importa... É o luar...”

“As lembranças são estrelas. A memória é uma noite bonita. Não faz mal que essas estrelas tenham morrido há muitos anos. A luz delas ainda me acaricia.”

“O perfume da rosa volta em todas as rosas.”

“... A hora dos sinos, quando cada um de nós é um pouco de Deus em sombra errante...”

“Felicidade... És do mundo e do céu. Tens um gosto de adeus...”

Poemas


Quando eu morrer com certeza vou
pro céu.
O céu é uma cidade de férias, férias
boas que não acabam mais.
Chegando, pergunto pela
minha gente que foi na frente.
Dou beijos, dou abraços, pergunto
uma porção de coisas e depois,
depois quero ir na casa de
São Francisco de Assis, ficar amigo dele,
tão amigo, tão amigo, que ele
há de me chamar: - Alvinho! e
eu hei de lhe chamar:
- Chiquinho!...


Naquele dia você estava com uma curiosidade!
Fez tanta pergunta.
Quanta coisa você quis saber.
O que era o mundo e a vida,
as estrelas do céu,
os animais da floresta,
o Polo Norte, Hollywood...
Eu respondi tudo, não foi?
Bem direitinho.
Falei, falei, falei...
Mas quando você me perguntou o que era o amor,
tirei os óculos,
passei o lenço nos vidros,
não respondi.
Fiquei com vergonha...

Aspiração

– Papai, se eu te pedisse uma nuvem, tu me dava?
– Dava...
– E o sol?
– Dava...
– Não vê!...
– Dava, sim...
– E aquela árvore, lá em cima do morro?
– Dava...
– E todos os vapores que andam no mar?
– Dava...
– Ah!
– Que é?
– Eu só queria um tostão pra comprá um pirulito...

Puzzle

– Podes formar uma estrela, uma casa, uma mulher...
Quanta coisa tu podes formular com esses pedacinhos coloridos.
Mas, não tens paciência.
Queres acertar depressa. Misturas tudo. Erras. Erras. Erras...
Devagar, menino. Imagina quando fores grande, se fizeres o mesmo
com as horas da tua vida.
Foi assim que eu comecei...

Homem Calado

Ele tinha um ar de papagaio tristonho.
Andava sempre de fraque.
Não falava.
Pensava.
Pensava.
Um dia, afinal, deu um suspiro e disse:
– Depois que a gente se casa, é que vê como as outras mulheres são interessantes.

História tão pequena

Naquela manhã de inverno um floco de neve e um cabelo branco caíram juntos na terra.
O cabelo branco perguntou:
– De onde vieste?
– Do céu. E tu?
– Da cabeça de uma mulher bonita.
O floco de neve curvou-se:
– Passa na frente.
Não é linda esta história tão pequena?

Preto Velho

– Pai Adão, conta uma história do tempo da escravidão.
– Pai Adão olha com os olhos tristes os netos de Sinhô Moço.
– Pai Adão, conta uma história do tempo da escravidão.
– Pai Adão baixa a cabeça.



Nenhum comentário:

Postar um comentário