domingo, 6 de dezembro de 2015

Banda dos Fuzileiros Navais



Uma pequena história da Banda dos Fuzileiros Navais


Quando Cole Porter veio ao Rio, assistiu, do palanque, ao desfile de 7 de Setembro. Quando viu passar a Banda Marcial o Corpo de Fuzileiros Navais, ele puxou o Ari Barroso pela manga do paletó e perguntou sério:

- O que é isso? Eles não seguem a cadência do bumbo como todos os militares do mundo? Eles pisam num ponto surdo entre as batidas! E eles balançam para os lados como se estivessem dançando!

O Ari respondeu:

- É porque é uma banda de mulatos que tocam de ouvido e não marcham. Eles desfilam, o que é diferente. Esse balanço se chama "ginga", mas eu não vou tentar te explicar porque você não entenderia nunca...

Considerada uma das maiores bandas marciais do mundo, distingue-se pela presença de gaitas de fole escocesas entre seus instrumentos musicais, presente da Rainha da Inglaterra para o USS Saint Louis, navio pertencente à Marinha Americana. Em 1951, quando esse navio foi incorporado à Marinha Brasileira, com o nome de Cruzador "Tamandaré", sua tripulação presenteou a Banda Marcial com 16 gaitas escocesas, em agradecimento ao Corpo de Fuzileiros Navais, que ofertara ao navio a bandeira brasileira.

Essa tradicional banda vem divulgando, através dos anos, a Marinha do Brasil e o Corpo de Fuzileiros Navais. Por sua técnica e pelas evoluções de seus componentes, entusiasma as plateias por onde se apresenta, sendo cada vez mais solicitada para exibições em todo o território brasileiro. Com isso, vem despertando o interesse pela formação de inúmeras fanfarras escolares para as quais serve de modelo, ajudando a manter uma tradição de nossas cidades, principalmente do interior. Em sua composição encontram-se: mor, auxiliar do mor, schellenbaum, baliza, bombos, taróis, surdos, quintonton, pratos, liras, gaitas, flautins, cornetas lisas, cornetas com pisto, contrabaixos lisos, contrabaixos com pisto, trompetes e trombonitos.





Nenhum comentário:

Postar um comentário