domingo, 13 de dezembro de 2015

Miscelânea


Não tem faca que não corte,
Nem sol que não alumi,
Arma de guerra é fuzi,
Não tenho medo da morte,
Não tem pau que não intorte,
Nem luz que faça ferida,
Cravo, rosa e margarida,
Portão, porteira, cancela,
Menina, moça e donzela,
Tenho saudade é da vida.

(Cantoria de Zé Limeira em ‘Zé Limeira
- Poeta do Absurdo” de Orlando Tejo)

Coletânea


Pequena coletânea de palavras que são usadas fora e às vezes muito dentro do contexto. Abaixo vão alguns exemplos:

01) O menino ia atravessando a rua quando o caminhão vasculhante quase atropelou o desinfeliz.

02) O emprego dele é muito bom, tem até adicionário noturno.

03) A febre baixou, mas só quando usou um sucusitório.

04) A injeção foi bem no glúten dela.

05) O requerimento do advogado foi aleijado do processo.

06) Ela teve condolências do rapaz.

07) A última vez que vi o velho ele estava bem nítido.

08) O pobre só apresentava uns sinais de estereosclerose.

09) Aí, bateram um elétrico, mas já era tarde e o coitado tinha tido um ABC.

10) Tive que fazer um xerox vice-versa do atestado de óbito.

11) O jornal diz que lá no Iraque tem muito frango-atirador.

12) E aquela que foi no motel e só ficou usando a banheira de vidro massagem?

13) Ainda bem que todo o gasto da viagem foi debilitado na conta da firma.

14) O menino ficou tão contente depois que ganhou um videogay.

15) Nessas novelas, agora, estão com essa mania de botar mulheres mésblicas. É um tal de mesblas se agarrando...

16) Com esse hábito de não usar fio dental eu fiquei com o gengibre inflamado.

17. Ela ficou tão braba que até chupou o pau da barraca.

18. Ele tirou pênis inflamado e também operou a morroidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário