domingo, 13 de dezembro de 2015

Histórias de Paraquedistas XV


“Eterno herói”

General Newton Lisboa Lemos

(26 de maio de 1916 – 22 de setembro de 2012)


Cap Newton Lisboa Lemos, pioneiro 25,
época em que compôs o “Eterno Herói”


“Confesso que não foi uma tarefa das mais difíceis, já que, como não poderia deixar de ser, vi-me contagiado por aquela atmosfera de entusiasmo, que funcionou como a minha grande parceira e fez com que uma antiga vocação, que se encontrava há muito tempo adormecida. Fosse despertada ao som de um ideal.

Uma canção pode nascer de várias maneiras. Não existe uma forma ou um esquema definido.

O “Eterno herói”, por exemplo, foi fruto da luta pela concretização de uma aspiração suprema. Na crença de que estávamos no caminho certo par alcançar o objetivo final e foi nessa riqueza de motivações que brotou o que chamamos de inspiração.

Depois de alguns dias de concentração, saiu, preliminarmente, a letra da canção, na qual levei a preocupação de criar, em poucos versos, uma síntese das características singulares do valor, da coragem e da audácia do combatente alado.

Aliado a ele, não podia faltar o apelo patriótico, que deve estar presente no coração do soldado. Seguindo esta orientação, a letra da canção ficou pronta e recebeu o nome de “Eterno Herói”.

Levei-a para o quartel, mostrando-a para alguns companheiros, aqueles mais chegados funcionalmente, que a aprovaram integralmente, sem restrições.

A seguir passei a trabalhar na parte melódica, colocando a música sobre a letra já pronta.

Cabe, agora, um esclarecimento: não sou músico e não toco qualquer instrumento musical. Compunha de ouvido, utilizando exclusivamente a memória para reter a melodia, o que exigia sua repetição por inúmeras vezes, eis que, na época, ainda não existia qualquer forma de gravador ao nosso alcance.

Mesmo sem partitura, valendo-me somente da memória com relação à parte musical, a canção “Eterno Herói” ficou pronta.

Aprovada por todos que a ouviam, foi iniciado um trabalho de divulgação, passando a ser cantada de forma mansa e sutil por quem se aproximava de nós para aprendê-la.

Não consigo precisar as datas que marcaram esses acontecimentos, embora possa garantir que tenham começado antes mesmo da formação dos primeiros paraquedistas militares, que somente veio a ocorrer em janeiro de 1949.

O objetivo

O objetivo ao compor o “Eterno Herói” era ter de imediato uma canção nossa para cantarmos quando fossem os momentos de maior vibração.

Não acalentava naquela ocasião qualquer pretensão párea que ela viesse a se tronar a canção oficial da tropa paraquedista.

Com o correr do tempo e independente de qualquer influência minha, a canção foi sendo aceita cada vez mais e entoada com maior frequência, indistintamente pelos oficiais e praças da OM.

No ano de 1955, ao término do meu Curso de Estado Maior do Exército, foram abertos novos horizontes em minha carreira e tive que me afastar totalmente das atividades na tropa aeroterrestre, situação que perdurou até a passagem para a Reserva.

Enquanto isso, o “Eterno Herói” permanecia no âmbito da GU Paraquedista, crescendo sempre em sua aceitação pelas gerações que nos sucederem.

Foi enriquecida com a partitura em uns “hurras” ao final da letra e passou a ser executada pela Banda de Música, que já fazia parte do efetivo da tropa paraquedista.

Não obstante e com o passar do tempo, como é natural, foi se processando a renovação da tropa e os companheiros mais antigos, por inúmeras razões foram se afastando, deixando para trás e perdidos alguns traços da memória do paraquedismo militar, entre outros, a autoria do “Eterno Herói”, que chegou a se tornar obra de autor desconhecido.

Por não saber quem coube a iniciativa de tomar a canção como Hino Oficial dos Paraquedistas, o que me impede de prestar-lhes as justas homenagens, ao mencionar-lhe o nome. O que se sabe, porém, é que foi realizada uma pesquisa entre alguns “Pioneiros”, já na Reserva, na busca do autor da canção.

Assim, no decorrer do ano 1980, durante o comando de General Antenor de Santa Cruz Abreu, fui contatado por um sargento que exercia as funções de Secretário da Banda de Música da Brigada de Infantaria Paraquedista que, em caráter oficial veio pedir minha autorização para que o “Eterno Herói” fosse adotado como a Canção Oficial daquela Grande Unidade, condição indispensável para o início da tramitação de processo junto ao Estado Maior do Exército.

Respondi-lhe que não só concedia a autorização, como me sentia muito honrado com a iniciativa. Dias depois o mesmo graduado levou-me uma partitura da canção sobre a qual emiti uma Declaração de Oferecimento, abrindo mão em favor da Brigada, de todos os direitos autorais que me coubessem.

O processo de oficialização, como é normal acontecer, teve o andamento moroso, vindo a se efetivar através da Portaria N° 05-EME, de 14 de janeiro de 1982, publicada no Boletim do Exército N° 04, de 29 de janeiro do mesmo ano.

Outras Canções

O General Newton Lisboa foi autor também de outras canções, destacando as duas que fez em outras organizações em que serviu, a do 26° Batalhão de Caçadores de Belém do Pará, que levou o nome a “Canção do Soldado do Norte”, e a "Canção da Companhia de Guardas do QG da 1ª Região Militar", que, dada à sua localização, era a Unidade de conciliação do então Ministro da Guerra, General Eurico Gaspar Dutra.

Letra original da canção “Eterno Herói”


Hino colorizado Pelo Pqdt Stron

Letra e Música do General Newton Lisboa Lemos, Pioneiro 25

Cumprindo no espaço a missão dos condores,
Valente e audaz não vacila um instante,
Nas asas de prata, ao roncar dos motores,
Vai a sentinela da pátria distante.

Chegado o momento, descendo dos céus,
Num salto gigante surgindo do anil,
Vem ele planando no templo de Deus,
Lutar em defesa do nosso Brasil.

Paraquedista!
Guerreiro alado vai cumprir sua missão.
Num salto audaz,
Vai conquistar do inimigo a posição.

Paraquedista!
No entrechoque das nações sempre será,
O eterno herói.
Que no avanço e na luta ninguém deterá.

Hurra ! Hurra !


*P.S. O general sempre enfatizava que todos cantavam um verso do hino de forma incorreta:

Que no avanço da luta ninguém deterá. = incorreto

Que no avanço e na luta ninguém deterá = correto

Texto do livro:

 “Memória Histórica da Brigada de Infantaria Paraquedista”,
do Cap Domingos Ferreira Gonçalves, Pqdt 2696

Abaixo, suas últimas fotos:


Gen Newton Lisboa e esposa


Em pé:

Freire, Fagundes e Ly Adorno;

Sentados: 

Newton Lisboa e Hugo Romeu


*Ly Adorno de Carvalho, Newton Lisboa Lemos e Hugo Romeu* já são falecidos.

Hugo Romeu, Pqdt 211, no filme "Sai de baixo", fez o papel do palhaço Carequinha ao saltar da torre.


4 comentários:

  1. Impossível não comentar, tal a emoção que se sente ao cantar o ETERNO HERÓI, um hino, uma canção, um poema, não sei direito, mas que arrepia isso arrepia, e ainda mais agora lendo o histórico da composição.

    ResponderExcluir
  2. Sou o S Ten Rabelo (Pqdt 51370), atual Adj Cmdo Bda Inf Pqdt, e desde de soldado canto a nossa canção e digo que sempre me emociono, devido a função participo de diversas solenidades e sempre anunciam o autor... dessa forma ficava imaginando como teria sido a concepção da canção e vim buscar informações na internet e ao ler esse artigo me emocionei... muito Obrigado Gen Newton Lisboa Lemos por esse legado e registro aqui o meu agradecimento ao Cap Gonçalves que desenvolve esse trabalho tão importante que é o resgate e manutenção da memória da nossa tropa aeroterrestre. Brasil Acima de tudo!

    ResponderExcluir
  3. Excelente texto. Sd Magalhães Pqdt 46.645 88/3. BRASIL ACIMA DE TUDO!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela comentário, PQD Magalhães.

    ResponderExcluir