domingo, 30 de março de 2014

Vacas muito especiais



 


Um empresário da cidade ia dirigindo por uma estrada quando avistou um homem simples do campo cuidando de umas vacas, numa pequena fazenda. O empresário parou o carro e, dirigindo-se ao matuto, perguntou:
- Moço, estou querendo entrar para o ramo da pecuária, importa-se de eu lhe fazer algumas perguntas?
- Craro qui não, dotô – disse o matuto.
- Suas vacas dão muito leite?
- O sinhô tá perguntano di qual, das malhadas ou das marrom?
- As malhadas – disse o empresário.
- Ah, as malhada sim, dão muito leite, quase três baldes por dia.
- E as marrons?
- As marrons também, dão muito leite, quase três baldes por dia.
- E elas são mansas? É fácil lidar com elas? – tornou a perguntar o empresário curioso.
- O sinhô tá perguntano qual? As malhada ou as marrom?
- As marrons – disse o empresário.
- Ah, as marrom são mansinha, meus filhos até brincam com elas.
- E as malhadas? – tornou o empresário.
- As malhada é igual, tudo mansinha, até meus filhos brincam com elas.
- E estas cavas comem capim, ou é alguma ração especial? – perguntou novamente o empresário, já impaciente com o maneirismo do caboclo.
- A ração? A ração é... mas o sinhô tá perguntano qual? As malhada ou as marrom?
- As malhadas.
- Ah, as malhada comem só capim, eu solto por aí e nem me preocupo.
- E as marrons?
- As marrom mesma coisa, solto elas no pasto e elas comem capim mesmo.
Impaciente, o empresário perguntou:
- Escute aqui, amigo, por que toda a pergunta que lhe faço, o senhor me pergunta de volta se eu estou falando das malhadas ou das marrons?
- É que as marrom é minha, né dotô.
- E as malhadas? – perguntou com ansiedade o empresário.
- As malhada também é minha, dotô.



Nenhum comentário:

Postar um comentário