quinta-feira, 2 de junho de 2016

A Gramática no Cordel


Janduhi Dantas


Previlégio ou Privilégio?

É com e ou é com i?
Preste atenção no recado:
Quem pronuncia ou escreve
Previlégio está errado,
Quem grafa ou diz privilégio
É um privilegiado.

Maisena, com s

Maizena escrita com z
É a da marca afamada,
A maisena da gramática
É a com s grafada:
S depois de ditongo,
Diz a regra, camarada!

Porque de todo jeito

O emprego dos porquês
Há quem ache complicado.
Há porque de todo jeito:
Porque junto, separado,
Com acento, sem acento,
Há porque pra todo agrado!

Porque junto e sem acento
Será uma conjunção
Explicativa ou causal,
De um pois tendo a função:
“Mateus está de castigo
Porque não fez a lição”.

Por que não telefonou?”
(Veja como está grafado):
Na frase interrogativa,
Sem acento e separado
Por que não disse a Maria?”,
Por que não deu o recado?”

Por pelo qual e flexões

Por que também é usado
(Sendo a preposição por
Ao pronome que ligado):
“Sei que é grande o sofrimento
Por que você tem passado”.

Quando for substantivo,
Porquê junto, acentuado;
Vindo depois de artigo
E por motivo empregado:
“Ele não disse o porquê
De à aula ter faltado”.

Por quê – em final de frase
Interrogativa ou não.
E o que é acentuado
Se no fim da oração:
“Lumária te disse o quê?”
(Entenda, preste atenção!).


Janduhi Dantas Nóbrega é paraibano de Patos. Agente cultural – autor de teatro popular, poeta cordelista e declamador –, participou ativamente dos movimentos sociais e populares registrados em Patos nos anos 80 e 90. Professor de Português, foi monitor de redação do Curso e Colégio Objetivo de Brasília (DF). Leciona, atualmente, em colégios e cursinhos pré-vestibulares em Patos, Princesa Isabel, Pombal e Sousa.

A ideia de fazer um livro ensinando gramática através de versos surgiu da dificuldade de seu casal de filhos aprenderem a matéria pelo sistema tradicional. Vejam alguns exemplos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário