terça-feira, 27 de maio de 2014

A Virgem ao Meio Dia


Paul Claudel



É meio-dia.
Eu vejo a igreja aberta.
E devo entrar.
Mãe de Nosso Senhor, eu não venho rezar.

Nada tenho a pedir e nada a oferecer.
Venho somente, ó minha Mãe, para vos ver.

Ver, chorar de felicidade, não saber mais do isto só;
Que eu sou vosso filho e que aí estais.

Por um momento só quando tudo está quieto.
Estar convosco, assim, sob este teto.

Nada dizer, contemplar a vossa imagem,
Deixa que o coração cante a própria linguagem.

Nada dizer, mas apenas cantar porque a alma está cheia demais.
Como o melro que desafia o seu canto pelo espaço em estrofes casuais.

Porque vós sois tão formosa, porque vós sois a toda imaculada,
A mulher afinal na Graça restaurada.

A criatura na sua honra primeira e na sua plenitude final,
Tal qual saiu das mãos de Deus na manhã do seu esplendor original
Intacta inefavelmente porque vós sois a Mãe de Jesus Cristo.

Que é a verdade entre vossos braços,
e a única esperança e o único fruto,
Porque vós sois a mulher, o Éden da antiga ternura olvidada,
Cujo olhar encontra, súbito, o coração e faz jorrar as lágrimas ocultas.

Porque me quisestes salvar, porque quisestes salvar a França,
Porque ela, como eu, também esteve na vossa lembrança.
Porque foi quando tudo ruía que vós quisestes intervir por nós,
Porque quem salvou a França ainda uma vez fostes vós,
Porque é meio-dia, porque estamos no dia de hoje e estamos sós,
Porque vós aí estais para sempre,
simplesmente porque vós sois Maria,
Simplesmente porque existis, mais nada.
Mãe de Nosso Senhor, graças nos sejam dadas!




Nenhum comentário:

Postar um comentário