segunda-feira, 19 de maio de 2014

No meio do caminho



Carlos Drummond por Alvarus


No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.

Carlos Drummond de Andrade

Da Revista de Antropofagia, 1928,
incluído em Alguma poesia (1930).



O mesmo poema em Latim

Media in via

Media in via erat lapis
erat lapis media in via
erat lapis
media in via erat lapis.

Non ero unquam immemor illius eventus
pervivi tam míhi in retinis defatigatis.
Non ero unquam immemor quod media in via
erat lapis
erat lapis media in via
media in via erat lapis.

Gozação

O negócio é o seguinte:

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho.
No meio do caminho tinha uma pedra
no meio do caminho
Tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra.
Tira essa merda de pedra do meio do caminho
ou chuta de vez.
Que pedra que nada,
para de ser onanista,
sai dessa pedra.

Vê se vira gente e tira a pedra do meio do caminho
que tinha uma pedra no meio do caminho.
E vê se não tropeça na pedra, porra!


Conclusão maldosa

Tinha uma pedra no meio do caminho.
O velhinho não viu.
O velhinho caiu.
O velhinho quer saber
Quem deixou a droga da pedra
No meio do caminho?

Nenhum comentário:

Postar um comentário