terça-feira, 13 de maio de 2014

Cemitério da Santa Casa de Porto Alegre



O Cemitério da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, inaugurado em 1850 e o mais antigo em atividade no Sul do Brasil, conserva em seus 10,4 hectares muito da história da Capital gaúcha e do próprio Rio Grande do Sul. Atrás de seus muros, mais de um século e meio de história está representada, através da arte esculpida em mármore, bronze, ferro e pedra, nas sepulturas e mausoléus ali reunidos. Atravessar os portões que guardam esse patrimônio da cidade e caminhar por suas alamedas é iniciar uma viagem ao passado.

No Brasil Colonial, as vilas se estruturavam com uma capela em seu centro e, ao lado ou nos fundos desta, ficava o cemitério. Na Vila de Porto Alegre, a necrópole existente localizava-se atrás da antiga Igreja Matriz e Capela do Divino Espírito Santo, que deu lugar à Cúria Metropolitana, hoje na Rua Fernando Machado.

Durante a ocupação de Porto Alegre pelos farroupilhas, entre 1835 e 1836, a média anual de enterros aumentou substantivamente, causada também por um surto de escarlatina. Logo, a área destinada aos sepultamentos tornou-se inadequada. O terreno acidentado, de acentuado declive, não permitia mais acolher os enterros, por problemas ocasionados pela chuva e consequente erosão do solo.

Em 1834, já havia uma comissão sanitária, formada por médicos e nomeada pela Câmara Municipal, para debater o problema da necrópole. Mas foi em 1843, após o poder público municipal ter autorizado a mudança do cemitério para uma localidade afastada – extramuros –, que o Presidente da Província, Luis Alves de Lima e Silva, tomou a iniciativa de adquirir, em 6 de agosto de 1844, um amplo terreno. Situado longe do Centro, no alto da Colina da Azenha, a sua administração ficou a cargo da Irmandade da Santa Casa de Porto Alegre.

Conceitos dos espaços cemiteriais


Túmulo→ Monumento fúnebre erguido em memória de alguém no lugar onde se acha sepultado.

Sepultura, Campa, Carneiro, Catacumba, Cova, Jazigo, Sepulcro, Tumba, Túmulo: Local onde se sepultam os cadáveres.

Catacumbas→ Galerias subterrâneas em cujas paredes se faziam tumbas.

Tumba→ Pedra sepulcral, caixão ou esquife.

Jazigo: → Pequena edificação nos cemitérios, destinada ao sepultamento de várias pessoas ou da família.

Mausoléu→ Em alusão ao túmulo que Artemisa, viúva de Mausolo, rei da Cária, antiga cidade da Ásia Menor, mandou erguer ao marido. Sepulcro de Mausolo (rei da Cária – século IV a.C. em Halicarnasso, tido como uma das sete maravilhas do mundo antigo). Sepulcro suntuoso.

Nicho→ Cavidade ou vão na parede ou muro para colocar estátua, imagem ou qualquer objeto ornamental.

Campo Santo→ Centenas de cruzes fincadas sobre sepulturas rasas.

Capela→ Pequena igreja de um só altar.

Necrópole→ Como eram chamadas as partes das cidades antigas destinadas para o sepultamento dos mortos. Sinônimo de cemitério.

Lista de Curiosidades

O jazigo onde está sepultado Vitor Mateus Teixeira, o Teixeirinha, é o mais visitado do Cemitério da Santa Casa.



Outro hábito já visto no Cemitério são pessoas saindo de costas do lugar. O fato curioso despertou a atenção dos funcionários que foram questionar o porquê daquela prática. A resposta foi que assim eles não levavam junto o espírito de ninguém ali enterrado.

Anualmente, um grupo de pessoas visita o Cemitério da Santa Casa. Elas chegam juntas, vestindo uma roupa igual, amarela, se dirigem à Cruz Mestra, acendem velas, fazem uma oração e vão embora. Quem são e o motivo desse ritual é ainda um mistério que persiste na Instituição.

As cerimônias de sepultamento de algumas religiões afro-brasileiras, como o Candomblé e a Umbanda, têm uma série de particularidades. Os rituais envolvem cantos e danças, que ocorrem nas capelas, e o caixão não é levado no carrinho comum. Quem trabalha no Cemitério da Santa Casa conta que as pessoas costumam carregar o ataúde balançando-o até o local da sepultura, que sempre fica no chão, em contato com a terra.

Em 1926, a Santa Casa adquiriu carros fúnebres para remoção de adultos, virgens e crianças, além de um veículo para o transporte de coroas. Outros também prestavam este serviço, como um caminhão com quatro lugares para indigentes, apelidado pelos populares de “Maria Crioula”. Na década de 1960, esses automóveis foram desativados.

Há um túmulo de um ex-paraquedista militar do Exército, Casemiro Scepaniuk,* e sua esposa Ruth, (foto baixo) pronto com todos os ornamentos possíveis, mas que ainda aguardam os corpos dos dois, que ainda estão vivos e saudáveis morando em Porto Alegre.

*Faleceu em 02 de fevereiro de 2016, seus restos mortais foram colocados nesse seu jazigo.


Em setembro de 1935, tropas dos farroupilhas estavam acampadas no local do atual cemitério, prontas para atacar Porto Alegre.


Antiga Lomba do Cemitério

Pessoas famosas enterradas

Teixeirinha (1927-1985), cantor e compositor.

Júlio de Castilhos (1860-1903), político e jornalista.

Iberê Camargo (1914-1994), artista plástico.

Lila Ripoll (1905-1967), poetisa.

Manuel Marques de Sousa (1804-1875), o Conde de Porto Alegre.

Roteiro Positivista

O positivismo é um sistema de ideias concebido pelo francês Augusto Comte no século XIX. Sua difusão se deu em diversos âmbitos: político, cultural e intelectual. Atingiu ainda diferentes disciplinas, como Economia, Religião, Filosofia, Medicina, História, Geografia, Literatura e Arquitetura. O positivismo religioso foi também uma de suas vertentes. Porto Alegre, inclusive, possui, na Avenida João Pessoa, próximo a Avenida Venâncio Aires, um dos raros templos positivistas existentes no Brasil

No Rio Grande do Sul, na virada do século XIX para o XX, o positivismo ganhou repercussão, sobretudo entre os partidários do Partido Republicano Rio-Grandense (PRR). Júlio de Castilhos retirou do comtismo ideias para a formulação política de funcionamento do estado, que foi assimilada por Borges de Medeiros e seus seguidores. A identidade da República Velha Gaúcha no Estado se confunde com o “positivismo castilho-borgista”, um fenômeno histórico que esteve presente até a década de 1920, e que serviu para frear dissidências, mas também animar conflitos, como as revoluções de 1893 e de 1923. O Cemitério da Santa Casa é o único da cidade que reúne exemplares de mausoléus e túmulos que expressam na escultura, arquitetura e em epitáfios a presença positivista, eternizando, através da memória, o vigor dessa doutrina na sociedade gaúcha.

Este roteiro inclui:

01. Otávio Rocha (1877-1928) - Túmulo 04, 1° quadro (direita), feito por Casa Aloys.
(Otávio Francisco da Rocha, militar, engenheiro, educador, político e jornalista.)

02. Emílio Massot (1865-1925) - Túmulo 14, 1° quadro (direita), feito por A Graniteira Piatelli e irmão. (Affonso Emílio Massot é patrono da Brigada Militar.)

03. José Montaury (1858-1939) - Túmulo 90, 1° quadro (direita). (José Montaury de Aguiar Leitão - engenheiro e político.)

04. Borges de Medeiros (1863-1961) - Túmulo 316, 1° quadro (direita) emprestado da Família Sinval Saldanha, seu genro. (Antônio Augusto Borges de Medeiros, advogado e político.)

05. Júlio de Castilhos (1860-1903), foto abaixo - Mausoléu, corredor central (esquerda). (Júlio Prates de Castilhos, jornalista e político.)


06. Pinheiro Machado (1851-1915), foto abaixo - Mausoléu, corredor central (esquerda). (José Gomes Pinheiro, advogado e político.)


07. Barros Cassal (1858-1903) - Túmulo 296, 4° quadro (direita). (João de Barros Cassal, jornalista e político.)

08. Ramiro Barcelos (1851-1916) - Túmulo 1169, 5° quadro (esquerda). (Ramiro Fortes de Barcelos, político, escritor, jornalista e médico na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.)

09. Frederico Westphalen (1876-1942) - Túmulo 649, 3° quadro (esquerda) (Engenheiro e político.)

10. Protásio Alves (1858-1933) - Túmulo, 3° quadro. (Protásio Antônio Alves, médico e político.)

Roteiro Político


A história política do Rio Grande do Sul é rica e singular. Esse é o olhar e o entendimento, inclusive, dos que abordam, pesquisam e estudam a trajetória das relações de poder no Brasil. A política gaúcha é reconhecida por suas especificidades e peculiaridades, que a distingue das trajetórias de outros estados. A bipolaridade e o confronto entre os grupos opositores fizeram do espaço regional, ao longo do século XIX e das primeiras décadas do XX, sobretudo, um animado palco de cisões, de guerras e conflitos militares.

Situados como conservadores ou liberais, no Império, e pica-paus ou maragatos, depois chimangos ou maragatos, na República, representações de suas lideranças se encontram no Cemitério da Santa Casa, cujos exemplos tumulares ilustram a configuração do cenário político da cidade e do Estado.

01. Félix da Cunha (1833-1865) - Panteão. (Félix Xavier da Cunha, poeta, advogado, jornalista, escritor e político.)

02. Otávio Rocha (1877-1928) - Túmulo 4, 1° quadro (direita), feito pela Casa Aloys. (Otávio Francisco da Rocha, militar, engenheiro, educador, político e jornalista.)

03. Emílio Massot (1865-1925) - Túmulo 14, 1° quadro (direita), feito por A Graniteira Piatelli e irmão. (Affonso Emílio Massot, patrono da Brigada Militar.)

04. Borges de Medeiros (1863-1961) - Túmulo 316, 1° quadro (direita) emprestado da Família Sinval Saldanha, seu genro. (Antônio Augusto Borges de Medeiros, advogado e político.)

05. Maurício Cardoso (1888-1938) - Mausoléu 118, 1° quadro (direita), escultor Caringi. (Joaquim Maurício Cardoso, advogado e político.)

06. Júlio de Castilhos (1860-1903) - Mausoléu, corredor central (esquerda). (Júlio Prates de Castilhos, jornalista e político.)

07. Coronel Bordini (1810-1884) - Mausoléu 5, corredor central (esquerda). (João Carlos Augusto Bordini, militar, banqueiro e político.)

08. Pinheiro Machado (1851-1915) - Mausoléu, corredor central (esquerda). (José Gomes Pinheiro, advogado e político.)

09. Plácido de Castro (1873-1908) - Túmulo 591, corredor central (esquerda). (José Plácido de Castro, político e militar.)

10. Protásio Alves (1858-1933) - Túmulo, 3° quadro. (Protásio Antônio Alves, médico e político.)

11. Firmino Paim Filho (1884-1971) - Túmulo, 3° quadro. (Firmino Paim Filho, advogado, banqueiro, fazendeiro, industrial e político.)

Roteiro cívico-celebrativo

A história celebrativa evoca personagens como figuras representativas de um lugar. A eles é dada a responsabilidade por grandes feitos, obras e ações que os destacam no imaginário social. Alguns estão preservados na memória como patronos de instituições ou nomes de ruas. Outros estão relacionados a datas que o calendário registra por seu significado ou são recordados em feriados. Com a morte, emerge a exaltação e seus túmulos se transformaram em espaços de celebração. Para as novas gerações, os signos de representação inscritos, esculpidos ou arquitetados em seus túmulos se revelam como lições e testemunho de reconhecimento.

No Cemitério da Santa Casa, encontram-se importantes exemplos de uma história-celebração, marcas da identidade que formou o Rio Grande do Sul, estado delineado pelas especificidades de seu passado. A necrópole reúne nomes de relevância política e militar da Capital gaúcha e do Rio Grande do Sul.

01. Otávio Rocha (1877-1928) - Túmulo 4, 1° quadro (direita), feito por Casa Aloys. (Otávio Francisco da Rocha, militar, engenheiro, educador, político e jornalista.)

02. Emílio Massot (1865-1925) - Túmulo 14, 1° quadro (direita), feito por A Graniteira Piatelli e irmão. (Affonso Emílio Massot, patrono da Brigada Militar.)

03. Maurício Cardoso (1888-1938) - Mausoléu 118, 1° quadro (direita), escultor Caringi. (Joaquim Maurício Cardoso, advogado e político.)

04. Francisco de Paula Brochado da Rocha (1910-1962) - Jazigo perpétuo, 257 a 269, 1° quadro (esquerda). (Advogado, professor e político.)

05. Júlio de Castilhos (1860-1903) - Mausoléu, corredor central (esquerda). (Júlio Prates de Castilhos, jornalista e político.)

06. Coronel Bordini (1810-1884) - Mausoléu 5, corredor central (esquerda). (João Carlos Augusto Bordini, militar, banqueiro e político.)

07. Pinheiro Machado (1851-1915) - Mausoléu, corredor central (esquerda). (José Gomes Pinheiro, advogado e político.)

08. Plácido de Castro (1873-1908) - Túmulo 591, corredor central (esquerda). (José Plácido de Castro, político e militar.)

09. Daltro Filho (1882-1938), foto abaixo - Mausoléu, corredor central (esquerda) (Manuel de Cerqueira Daltro Filho, militar e político.)


História Social

Toda a sociedade que se apresenta na história está alicerçada por uma ordem social. A expressão das diferenças e das contradições entre seus grupos e classes é evidente pelas condições materiais de que são portadoras. Essa realidade é reapresentada no espaço cemiterial. Ele se constitui em cenário portador de referências e explicações das relações humanas e do funcionamento da sociedade, pois, afinal, o cemitério reproduz o fenômeno social e seu movimento.

Na verdade, é visível neste lugar as condições de vida dos que nele estão sepultados. E o Cemitério da Santa Casa traduz com realismo a trajetória da sociedade porto-alegrense e dos que vindos de outras comunidades, nele encontraram acolhimento. Mais ainda, ricas e multifacetadas histórias podem ser aprendidas em seu espaço, desde o contato com os primeiros quadros, ricamente adornados, até o Campo Santo, marcado pela simplicidade e total despojamento. Da história social observada, é notório que o Cemitério da Santa Casa acolhe a todos, indistintamente, se impondo no espectro da cidade como um dos seus espaços mais democráticos e portador de cidadania.

01. Ismael Chaves Barcelos - Túmulo 124 a 126, 1° quadro (direita). (Fazendeiro, industriário.)

02. João Leite Filho - Mausoléu 134, 1° quadro (direita). (Fazendeiro e capitalista.)

03. Família Difini - Mausoléu 10, corredor central (direita), feito pelo artista José Floriani Filho. (Expoentes da colônia italiana em Porto Alegre. Joaquim Difini, presidente do Sport Club Internacional.)

04. Luiz Leseigneuer (sem data) - Mausoléu 9, corredor central (esquerda), feito pela Casa Aloys.(Engenheiro.)

05. Eduardo Secco ( -1939) - Mausoléu 6, corredor central (direita), feito pela Casa Aloys. (Comerciante.)

06. Mostardeiro (1831-1893) - Mausoléu, corredor central. Antônio José Gonçalves Mostardeiro, comerciante.
Dona Laura (1835-1906). Laura Rasteiro Mostardeiro (sem data)

07. João Ferreira Porto ( -1883) - Mausoléu, corredor central. (Comerciante.)

08. Vereador Porto (1807-1881) - Túmulo 30, 2°quadro (direita). (José Ferreira Porto, comerciante.)

09. Barão do Cahy (1817-1884) - Túmulo 12, corredor central (direita). (Francisco Ferreira Porto, comerciante.)

10. Conde de Porto Alegre (1804-1875) - Mausoléu, corredor central. (Manuel Marques de Sousa, nobre e militar.)

11. Visconde de Pelotas (1824-1893) - Capela 5, 3° quadro. (Segundo Visconde - José Antônio Correia da Câmara, militar e político.)

12. Família Rocco Irace - Túmulo, corredor central, feito pela Casa Floriano. (Comerciantes.)

13. Barão de Nonoai (1828 -1897) - Túmulo 758, 4° quadro. (João Pereira de Almeida, nobre e militar.)

14. Barão do Gravataí (1797-1853) - Túmulo, corredor central. (João Baptista da Silva Pereira, militar.)

15. Baronesa do Gravataí (1802-1888) (Maria Emília de Menezes.)

16. Barão do Guaíba (1813-1902) - Capela 34, 4° quadro. (Segundo Barão de Guaíba, Manuel José de Campos- médico e político.)

17. Barão de São Borja (1816-1877) - Túmulo, 4° quadro. (Vitorino José Carneiro Monteiro, militar e nobre.)

18. Barão de Camaquã (1822 -1893) - Túmulo 718, 4° quadro. (Salustiano Jerônimo dos Reis, militar e nobre.)

Cemitério São Miguel e Almas



“A morte não melhora ninguém...”

Mário Quintana, inscrição para um portão de cemitério.

A Irmandade do Arcanjo São Miguel e Almas foi instituída em 1773, na Igreja Matriz do povoado de Nossa Senhora Madre de Deus de Porto Alegre, possuía no Cemitério desta, um quadro de terra para o sepultamento dos irmãos falecidos.

Estava localizado no terreno que se estendia desde os fundos da Igreja Matriz, até a Rua Coronel Fernando Machado, onde posteriormente foi edificado por Dom Sebastião Dias Laranjeira, segundo Bispo do Rio Grande do Sul, o antigo Seminário, atualmente a Cúria Metropolitana.

Em 1851, o General Lima e Silva, Presidente da Província, proibiu o sepultamento dentro dos limites urbanos e a partir daí o Cemitério da Irmandade do Arcanjo São Miguel e Almas, passou para o Morro da Azenha.

No dia 14/05/1909, realizou-se o primeiro sepultamento no novo Cemitério e assim os restos mortais do Sr. Manoel da Silva Braga, ainda permanecem na sepultura 0001.

Suas instalações do Morro da Azenha são modelares e isto fez com que o Cemitério da Irmandade do Arcanjo São Miguel e Almas ficassem conhecidas mundialmente, tornando-se hoje um dos melhores da América do Sul, sendo considerado como destaque turístico da capital do estado.

Famosos sepultados no Cemitério São Miguel e Almas

Caio Fernando Abreu, escritor e jornalista;

Érico Veríssimo, escritor;

Ildo Meneghetti, ex-governador do Rio Grande do Sul;

Lupicínio Rodrigues, cantor;

Mário Quintana, poeta.


Nenhum comentário:

Postar um comentário