segunda-feira, 5 de maio de 2014

Maria Degolada – a realidade


Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul

Ao apagar das luzes do século XIX, em novembro de 1899, a então pacata e aprazível Porto Alegre, capital do estado mais meridional do Brasil, com uma população estimada em 70.000 habitantes, voltava sua atenção para as comemorações que estavam sendo programadas para festejar a entrada de um novo século.

Entretanto, a nossa Porto Alegre foi abalada por um tenebroso crime nada relacionado com o fim do mundo, mas infelizmente comum nas crônicas de todos os agrupamentos humanos: a tragédia que tirou a vida de uma infeliz mulher do povo e que ficou conhecida na história como o Crime da Maria Degolada. Esse fato teve tal repercussão que passou a batizar uma vila popular como o nome de Maria Degolada, o local onde aconteceu ficou conhecido como o Morro da Maria Degolada, denominações essas que tendem a desaparecer, pois que o hediondo significado do verbete degolada está sendo substituído por Conceição, mais precisamente Maria da Conceição, adotado oficialmente. Esse o drama maior do fim do século em nossa sorridente capital.

Quase nos estertores de 1899 precisamente no dia 12 de novembro, uma mulher foi brutalmente assassinada por seu amante. Graças à iniciativa do Arquivo Público do Estado, conservador do processo alusivo ao fato, foi possível restaurar a verdade.

Os personagens

A vítima chamava-se Maria Francelina Trenes, de nacionalidade alemã. Contava com 21 anos de idade ao ser assassinada. Está sepultada no jazigo n° 741 do Campo Santo da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Era solteira; no processo aparece como amásia do assassino.

O criminoso, Bruno Soares Bicudo, 29 anos, servia na Brigada Militar com o nome de Brum e não Bruno. Natural de Uruguaiana, solteiro e analfabeto.

O local

O local onde se desenrolou o drama, que ficou conhecido como Crime da Maria Degolada, ou da Maria do Golpe, situa-se na fralda leste do Morro do Hospício, no arraial do Partenon. Constitui hoje a chamada Vila Popular de Maria da Conceição, mas que o vulgo continua a batizar de Maria Degolada.

O crime

No dia 12 de novembro de 1899, quatro soldados do 1° Regimento de Cavalaria da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, encontrando-se de folga e por ser um domingo, em plena estação primaveril, acompanhados de outras tantas mulheres, resolveram aproveitar o dia para os “prazeres de um pic-nic”. Escolheram para local o Morro do Hospício nas proximidades da Chácara das Bananeiras, onde serviam.

Após terem saboreado um churrasco, conforme haviam programado, quando os relógios marcavam mais ou menos às quinze horas, o soldado de nome Bruno Soares Bicudo, por motivos de ciúmes, após haver discutido com sua acompanhante, enraivecido e pretextando mais tarde uma possível agressão da vítima, subjugou-a, degolando-a.

As testemunhas

Uma das testemunhas, Francisco Alves Nunes, presente no local e hora do crime, prestou um longo depoimento, do qual destacamos: “que a vitima entendeu dirigir chufas (gracejos) ao denunciado, que era seu amásio, dizendo-lhe que tinha outro homem com quem pernoitar, suscitando-se, por isso, uma discussão entre ambos, a qual, tornando-se calorosa, deu lugar a que o depoente e seus companheiros intervissem, chegando mesmo a vítima lançar mão do porrete e de um pedaço de ferro para com ele agredir o denunciado, que julgando a contenda terminada trataram os companheiros de tomar café, ficando o denunciado e a vítima a sós, um pouco retirado deles; que, pronto o café, voltando o depoente a chamar o denunciado para bebê-lo, notou que ele havia assassinado a vítima, usando de uma faca, pelo que o depoente e com os demais companheiros promoveram a prisão do denunciado.”

* * * * *

(Do livro “Maria Degolada – mito ou realidade?”)

Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul – Edições EST





Estado de óbito de Maria Francelina Trenes


A Imprensa da época noticia o crime

Crime hediondo




Maria Francelina Trenes, solteira com 21 anos de idade, foi ontem, às 3 horas da tarde, barbaramente assassinada pelo seu amante Brum* Soares, soldado do 1° Regimento da Brigada Militar, e empregado nas plantações da chácara do governo do Estado, denominada Recreio Agrônomo.

O fato delituoso deu-se nos fundos da chácara do Sr. João de Oliveira Vianna, em frente ao Hospício São Pedro, onde existe uma grande pedreira.

Pelo depoimento de algumas testemunhas interrogadas pelo sr. major Andrade, que ali compareceu, vê-se que o autor do crime e sua amásia, achavam-se naquele lugar a hora acima referida, em conversação com mais pessoas, quando depois de uma pequena troca de palavras, Brum lançou mão de uma faca e agarrando Maria Francelina pelos cabelos, deu-lhe um profundíssimo golpe no pescoço, impiedosamente.

Assim que tivemos conhecimento do fato criminoso, nos dirigimos àquele local, e deparamos com o mais triste espetáculo que pode dar-se:

A infeliz vítima achava-se atirada sobre o capim, debaixo de uma grande árvore, usava vestido e casado azul, tendo os cabelos todos soltos.

Em redor de si achavam-se alguns vizinhos, que, como nós, lamentavam aquele tristonho quadro, obra talvez, diziam eles, de uma dessas tantas tragédias de ciúmes, que são autores os mais bárbaros dos homens.

O citado ferimento que recebera Maria Francelina, atingira-lhe o lado direito, na região lateral do pescoço mostrando um enormíssimo e profundo golpe.

               Era lastimável e contristador o estado da vítima.

O assassino Brum apresenta também um talho no pescoço, que segundo dizem as testemunhas, tentou degolar-se após o perpretação do crime.

Tem ele 40 anos ou menos*, é solteiro, indiático e mal encarado.

A sua prisão foi efetuada pelo cabo comandante do destacamento do referido Recreio, quando depois do crime o assassino dirigia-se ao rancho, com fim de tomar seu poncho para fugir.

O fato que vimos de narrar, teve lugar, como dissemos às 3 horas e só às 6 1¤2 foi retirado o cadáver, quando ali compareceu a autoridade, com dois guardas administrativos, acompanhados do carro da Assistência Pública.

O major Andrade, depois de mandar conduzir o corpo para o necrotério da Santa Casa de Misericórdia, dirigiu-se para o dito rancho do destacamento, onde fez necessário interrogatório às testemunhas do fato e prosseguindo nas demais diligências.

Para o feroz assassino Brum Soares é mister que caia toda a ação da justiça, punindo–o enérgica e severamente, como ao mais covarde dos tiranos.

* 29 anos
* Bruno

* No Atestado de Óbito a grafia é Francellina

(Gazetinha, Porto Alegre, 13 de novembro de 1899)

(Fonte Museu de Comunicação Social Hypólito José da Costa)




A figueira, que marcava o exato local do crime, não existe mais.


A figueira que se encontrava no local onde Maria morreu (foto acima), foi arrancada por um vendaval em data desconhecida (supostamente década de 60). No local, foi construída uma pequena Capela em homenagem à jovem, cujas fotos se encontram abaixo.



Túmulo da Maria Degolada*

*Na verdade ela não foi enterrada ali, o local apenas marca onde ela foi assassinada. Dizem que faz milagres...



Placas de agradecimentos


Placa do centenário de sua morte em 12.11.1999



Nenhum comentário:

Postar um comentário