sexta-feira, 17 de junho de 2022

“Amigo Secreto”

 é interlúdio no cinema político

 de Maria Augusta Ramos

Por Matheus Mans

O Brasil, desde 2013, vive um turbilhão. Tudo começou com protestos sem rumo, passou para um golpe, caminhou para a eleição de um fascista e, hoje, olha para um horizonte com vários caminhos e nenhuma solução. Parte do processo que vivemos está retratado no cinema de Maria Augusta Ramos, documentarista brasileira de mão cheia e que lança Amigo Secreto. 

Estreia nos cinemas desta quinta-feira, 16.06.2022, o longa-metragem é quase uma continuação do que Maria Augusta contou em O Processo. Aqui, porém, ela foca no golpe judiciário que aconteceu desde 2015, quando a Lava Jato começou a focar em políticos contrários ao que pensavam os desembargadores e, principalmente, o então juiz Sérgio Moro. Um ataque institucionalizado. 

A partir isso, com um formato de documentário de observação, Amigo Secreto exalta uma instituição que foi vandalizada nos últimos anos: o jornalismo. Com várias cenas de bastidores e entrevistas essenciais no processo, o filme de Maria mostra como veículos como El País e The Intercept Brasil descobriram a farsa por trás de Moro e cia, em uma investigação profunda. 

É um filme longo, com mais de duas horas de duração, que traz certo cansaço. Afinal, se afastando de O Processo e abraçando mais o cinema de Excelentíssimos, Amigo Secreto busca mais explicar e retratar detalhadamente o que aconteceu durante todo esse processo político. Olhando de hoje, com proximidade, fica a sensação de mais do mesmo apesar dos bastidores. 

Algo totalmente diferente quando comparamos com O Processo. Ainda que ambos os filmes existam pelo acesso privilegiado da documentarista aos bastidores, o filme de 2017 parece mais encadeado e, com isso, mais elucidativo no processo. Esse, enquanto isso, não traz grandes novidades, mas retratos pontuais de como certas coisas aconteceram. É mais uma explicação. 

Indo além, Amigo Secreto parece um interlúdio entre O Processo e algo mais que está por vir. Nesse sentido, o longa-metragem mostra com profundidade os bastidores do jornalismo e, acima de tudo, como esse é um trabalho mais do que essencial sempre e, especialmente, em tempos tão sombrios. Coloca luz em temas, acontecimentos e figuras que viviam nas sombras. 

Amigo Secreto, sem dúvidas, poderia ser um pouco mais ágil em algumas decisões narrativas e, principalmente, ter uma edição mais presente, cortando alguns excessos. Ainda assim, é um filme importante, com um olhar atento e inédito para os bastidores da chamada Vaza Jato, ainda que distante de algumas polêmicas e assuntos espinhosos. Vale a pena assistir e refletir. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário