segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Uma antologia de frases venenosas

 sobre a relação homem/mulher

(Do livro “O Amor de mau humor”, de Ruy Castro)

Þ Não há amor que resista quando o homem toma champagne no sapato de uma mulher e engasga com uma palmilha do Dr. Scholl. (Phyllis Diller)

Þ Amar é... ser a primeira a reconhecer o corpo no Instituto Médico Legal. (Ivan Lessa)

Þ O homem que beija o chão que sua garota pisa provavelmente sabe que o pai dela é o proprietário do terreno. (Laurence J. Peter)

Þ O homem perde o seu senso de direção depois de quarto drinques; a mulher, depois de quatro beijos. (H.L. Mencken)

Þ Um beijo pode ser uma vírgula, um ponto de interrogação ou um ponto de exclamação. E é isto o que uma garota precisa aprender de gramática. (Mistinguett)

Þ Você é a mulher mais linda que já vi – embora isto não conte muito a seu favor. (Groucho Marx)

Þ Um cavalheiro é um homem que jamais bate numa mulher sem primeiro tirar o chapéu. (Fred Allen)

Þ Não cruze as pernas no meio da sala. Se você quiser mostrá-la, leve duas ou três pessoas de cada vez para um cantinho discreto. (Leon Eliachar)

Þ [Quando lhe perguntaram quem era bom de cama]: Meu marceneiro. Só ele é capaz de fazer uma cama para o meu tamanho. (Jô Soares)

Þ Nunca me casei porque nunca precisei. Tenho três bichinhos em casa que, juntos, perfazem um marido: um cachorro que rosna de manhã, um papagaio que fala palavrões o dia todo e um gato que volta de madrugada para casa. (Maria Corelli)

Þ Algumas pessoas querem saber qual é o segredo do nosso longo casamento. É simples: jantamos fora duas noites por semana. Um belo jantar à luz de velas, com música suave, perfeita para dançar. Ela vai às terças e eu, às quartas. (Henny Youngman)

Þ Outro dia minha mulher e eu comemoramos nossas bodas de lata – dez anos comendo enlatados. (Idem)

Þ É perigoso ter muitas mulheres. Quem tem seis, por exemplo, tem cinco oportunidades de ser passado para trás. (Antonio Maria)

Þ [Ao ser perguntada por um amante se ele podia confiar nela]: Claro. Centenas já confiaram. (Mae West)

Þ No primeiro jantar que minha mulher preparou para nós, engasguei com um osso no pudim de chocolate. (Woody Allen)

Þ Quando um homem leva flores para sua mulher sem uma razão – há uma razão. (Molly Macgee)

Þ As mulheres se dão para Deus quando o diabo já não quer nada com elas. (Sophie Arnould)

Þ Um arqueólogo é o melhor marido para uma mulher. Quanto mais ela envelhece, mais ele se interessa por ela. (Aghata Christie)

Þ Em nossa noite de núpcias, minha mulher parou em pleno ato e me aplaudiu de pé. (Woody Allen)

Þ Ladrões exigem a bolsa ou a vida. Mulheres exigem ambos. (Samuel Butler)

Þ As mulheres são umas chatas. A gente leva pra passear, leva pra dançar, leva a um bar, leva ao cinema e, mesmo assim, elas vivem reclamando que nós nunca as levamos a esse tal de orgasmo. (Angeli)

Þ A coisa mais profunda em certas mulheres é o sono. (Sacha Guitry)

Þ Conte-me tudo a seu respeito – suas lutas, seus sonhos, seu número de telefone. (Peter Arno)

Þ Quando o homem se interessa pelo corpo de uma mulher, ela o acusa de só se interessar pelo corpo dela. Mas, quando ele não se interessa pelo corpo dela, ela o acusa de só se interessar pelo corpo de outras mulheres. (P.J. O’Rourke)

Þ As mulheres abandonadas pelos seus amantes acham um grande reconforto na descoberta súbita dos méritos de seus maridos. (Oscar Wilde)

Þ O problema de resistir a uma tentação é que você pode não ter uma segunda chance. ((Laurence J. Peter)

Þ A intuição feminina é o resultado de milhões de anos sem pensar. (Rupert Hughes)

Þ Sabe por que Deus privou as mulheres de senso de humor? Para que elas pudessem amar os homens, em vez de rir deles. (Sra. Pat Campbell)

Þ A única maneira de enfrentar uma mulher é com o seu chapéu. Pegue-o e fuja. (John Barrymore)

Þ Quando uma mulher erra, os outros homens acertam o passo atrás dela. (Mae West)

Þ Um ladrão roubou o cartão de crédito de minha mulher. E quer saber de uma coisa? Está gastando menos que ela! (Henny Youngman)

Þ O homem de quarenta é que está no ponto: tem mais educação, mais charme, mais postura – e mais dinheiro. (Mae West)

Þ Custamos a nos casar. Ela se recusava a se casar comigo enquanto eu vivesse bêbado e eu me recusava a me casar com ela quando estava sóbrio. (Henny Youngman)

Þ Quem tem mulher bonita, que vá enviuvar em Belo Horizonte. Mas nunca deixar uma viúva em Ipanema ou no Leblon. (Antonio Maria)

Þ Não se preocupe com o que você diz aos homens. São tão vaidosos que nunca acreditam que você está falando a sério quando diz aquelas coisas horríveis a um deles. (Agatha Christie)

Þ Minha mulher gasta uma fortuna em cremes e óleos para passar pelo corpo inteiro. Quando eu tento agarrá-la, ela escorrega para fora da cama. (Henny Youngman)

Þ Eu me visto para as mulheres e me dispo para os homens. (Angie Dickinson)

Þ O salto alto foi inventado por uma mulher que só tinha sido beijada na testa. (Christopher Morley)

Þ Ser mulher é um negócio dificílimo, já que consiste basicamente em lidar com homens. (Joseph Conrad)

Þ Nunca odiei um homem o suficiente para lhe devolver os diamantes. (Zsa Zsa Gabor)

Þ Nunca nos damos conta de como um mês é curto até que começamos a pagar pensão à ex-mulher. (John Barrymore)

Þ Pensão judicial é um sistema pelo qual duas pessoas cometem um erro e uma delas continua a pagar por ele. (Mark Twain) 


O sabor da iniquidade

 

Um príncipe de uma dinastia árabe, quando pequeno, tinha um preceptor* que o instruía tão bem que o aluno se destacava em todas as matérias. Certo dia, o preceptor castigou-o duramente e sem motivo. O jovem nobre ficou muito ressentido.

Quando subiu ao trono, mandou vir o preceptor e perguntou-lhe:

− Por que me bateste e me fizeste ajoelhar aos teus pés, em tal dia, sem que eu o merecesse?

Respondeu o preceptor:

− Quando lhe vi tantos dotes, sabia que iria herdar o reino de seu pai. Quis revelar-lhe o sabor da iniquidade** para preveni-lo contra ela.

O rei admirou a sabedoria do seu antigo preceptor e deu-lhe um cargo elevado na corte.

                                                (Al-Ibchihi)

Do livro:

“As mais Belas Páginas da Literatura Árabe”, de Mansour Challita

Preceptor: → Pessoa incumbida de acompanhar e orientar a educação de uma criança ou de um adolescente.

** Inquidade: → Qualidade de iníquo, contrário à equidade, à justiça. Aquilo que é injusto, oposto ao que é justo e igualitário. Ato ou comportamento contrário à moral, à religião, à igualdade. Comportamento ou ação perversa e maldosa; malevolência.

 


O falcão e o rouxinol

 Uma fábula de Esopo*

O Falcão estava faminto. Passara o dia inteiro procurando comida, sem sucesso. Aproximava-se a noite, e ele precisava encontrar uma presa logo logo, senão dificilmente conseguiria dormir, de tanta fome.

Avistou um pássaro ao longe, à sua frente. Voando como uma flecha, cravou as garras no pescoço do Rouxinol, que não se apercebera do perigo chegando por trás.

Enquanto voava de volta a seu ninho, o Falcão ouviu o apelo desesperado do Rouxinol:

Enquanto voava de volta a seu ninho, o Falcão ouviu o apelo desesperado do Rouxinol:

− Por favor, poderoso Falcão. Eu sou um pobre Rouxinol. Sou pequeno demais para a sua fome. Por que você não me larga e vai procurar uma ave maior, que possa satisfazer seu magnífico estômago?

O Falcão prosseguiu em seu voo, sem responder ao Rouxinol.

− Além disso, eu canto muito bem. Se você me largar, posso cantar para você, enquanto buscamos um alimento melhor. Prometo que não vou fugir. Nem conseguiria, por causa de sua velocidade muito superior à minha.

E então o Falcão respondeu:

− Eu seria um tolo se o largasse agora, pequeno Rouxinol. Se possuo um alimento garantido entre minhas garras, por que iria procurar outro que ainda nem está à minha vista? Um pássaro pequeno que eu já tenha vale muito mais, para mim, do que um grande pássaro que ainda não capturei.

                                               Moral da história

 Mais vale o pouco que se tem do que o muito que se possa ter.

 *Tradução e adaptação: Sérgio Barcellos Ximenes.

                                        Uma versão resumida

O francês La Fontaine (1621−1695) recriou muitas das fábulas de Esopo (620 a.C. − 564 a.C.). A ideia era humanizar animais e, nos diálogos dos bichos, criar uma sabedoria moral para os humanos. Na fábula o falcão e o rouxinol, o pequeno pássaro foi agarrado pelo predador. Na tentativa desesperada de sobreviver, a ave suplica ao algoz que a liberte, pois poderia cantar ou falar do famoso rei Tereus da mitologia. O grande pássaro sorri e diz que um “estômago com fome não possui orelhas”. Moral? Diante das necessidades básicas, escasseia a chance de sensibilidade ou de disposição para ouvir músicas... ou argumentos.

                  (Da crônica “Ouvir com fome”, de Leandro Karnal,

jornal Zero Hora, agosto de 2020)

Hitler, a primeira trovoada

 Voltaire Schilling*


(...)

No grande salão da cervejaria Höfbrauhaus, no dia 20 de fevereiro de 1920, um desconhecido estava na entrada como cicerone da reunião. Ex-veterano de guerra condecorado e informante do exército, o artista sem sucesso Adolf Hitler preparava-se para expor aos presentes − ex-combatentes, trabalhadores, lojistas e tuti quanti − os 25 pontos do recém fundado NSDAP Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (NSDAP), Partido Nazista.

Sua aparência era comuníssima, com exceção dos olhos azuis imantados e do dom da oratória. Talento que ele mesmo desconhecia ainda que tivesse 30 anos. A pequena agremiação apresentava-se como unificadora da Alemanha exausta, anticomunista, antidemocrática, antiliberal, totalmente hostil ao Tratado de Versalhes e ferozmente antissemita. O público ficou atônito e extasiado com a verve do pequeno homem. Ali nascia o fascismo germânico. Não cessa de nos impressionar, um século depois, o fato de que um punhado de tipos direitistas estranhos, senão que bizarros, absolutamente banais, sem nenhuma qualificação maior, 13 anos depois chegaria ao poder para desgraça da Alemanha e infelicidade da Europa.


 * Historiador

                                   (Correio do Povo, agosto de 2020)

domingo, 30 de agosto de 2020

Futebolista Apaixonado

 

Um ardoroso torcedor de futebol enviou a seguinte “declaração de amor” à sua eleita:

 

 “Querida do time do meu coração. Quando te vi pela primeira vez agarrada ao aramado de um campo de futebol e vi as pelotas dos teus olhos, fiquei em posição de impedimento, apesar do juiz ter apitado a tempo. Olhei para o gramado e tive a impressão dos teus cabelos com uma pequena falha no centro dos quais vinha delicioso perfume o qual bateu direto na trave do meu nariz.  Foi um lance de sensação! Fiquei tão entusiasmado que caí nas redes do teu coração, Escuta: queres fazer um treino comigo? Não tens coragem? Sei que o teu pai joga de zagueiro contra nós, mas isso não tem importância porquanto sou da nova geração do  selecionado e vou “driblá-lo”. Ontem fui assistir a um jogo noturno quando se acenderam os refletores foi como se acendessem os refletores da minha alma! É que você passou a ocupar a asa-média-esquerda do meu coração! Vamos botar a bola no centro dos nossos corações e vamos “fintar” o teu pai até conseguirmos vantagem no marcador da tua família. Ninguém, querida, poderá apitar impedimento no nosso amor. Vamos tentar tudo, nem que seja preciso “engavetar” o teu irmãozinho. Não esqueças de que temos de empregar a defesa cerrada e aliviar sempre a nossa grande área. Hoje espero-te, como de costume, na concentração daquela esquina escura. Teu centroavante

                                       Chiquinho Chuteira”


Nunca mexa com quem está quieto...

Um famoso político brasileiro do PSL estava a bordo de um avião, indo de São Paulo para Brasília. Ao seu lado, notou um garoto de uns 12 anos, de óculos, com ar sério e compenetrado, lendo um livro de gramática. Assim que o avião decolou, o garoto abriu um livro, mas o político puxou conversa:

− Ouvi dizer que o voo fica mais curto se a gente conversa com o passageiro ao lado. Gostaria de conversar comigo?

O garoto fechou calmamente o livro e respondeu:

− Talvez seja interessante. Que tema o senhor gostaria de discutir?

− Ah, que tal política? Você acha que devemos reeleger o presidente ou dar uma chance a outro?

O garoto suspirou e replicou:

− Pode ser um bom tema, mas antes preciso lhe fazer uma pergunta.

− Então manda! − encorajou o Político.

− Cavalos, vacas e cabritos comem a mesma coisa, capim, grama, ervas, o senhor concorda?

− Sim, disse o político.

− No entanto, cabritos excretam bolinhas, vacas largam placas de esterco e os cavalos grandes pelotas... Qual é a razão para isto?

O político pensou por alguns instantes, mas confessou que não sabia resposta.

O garoto concluiu:

− Então como o senhor se sente qualificado para discutir quem deve governar o Brasil, se não entende de bosta nenhuma?

 E durante o resto da viagem não trocaram mais uma palavra sequer...


Uma carta aos animais

 

Vocês são nosso alimento, nossas cobaias, nossos amigos.

Repartem conosco os problemas e conflitos deste mundo que nós, seres racionais, tivemos a pretensão de construir, alterar e modificar, muitas vezes sem pensar que de nossas decisões dependiam a sobrevivência e o conforto de vocês. 

Ocupamos um espaço que a vocês pertencia. E vocês, humildemente se calaram.

Destruímos suas crias, matamos suas fêmeas, caçamos seus machos, numa fútil e irracional demonstração de força pela caça predatória. E vocês, assustados, sucumbiram. 

Aprisionamos sua beleza e exibimos diante dos olhos curiosos e desumanos. E vocês, condescendentes, permitiram.

Retiramos suas peles, alimentamo-nos com suas carnes, utilizamos suas forças, nem sempre por necessidade, às vezes, até, por crueldade. Crueldade racional. E vocês, submissamente, sacrificaram-se. 

Poluímos o seu mundo puro com nossa tecnologia desumana e vocês, corajosamente, fugiram dela. Mas fugiram calados.

Com a nossa inteligência domesticamos a sua selvageria, conquistamos sua amizade. Mas, infelizmente, não soubemos retribuí-la como vocês mereciam.

Por tudo isso, pedimos perdão.

Tomara que nós, seres racionais, ainda tenhamos tempo de aprender as lições de vida que vocês podem nos ensinar.


Lei Afonso Arinos

 Lei que deveria ter acabado com o preconceito racial no Brasil


Lei 1390/51, de 3 de julho de 1951

 Inclui entre as contravenções penais a prática de atos resultantes

 de preconceitos de raça ou de cor.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1 º Constitui contravenção penal, punida nos termos desta Lei, a recusa, por parte de estabelecimento comercial ou de ensino de qualquer natureza, de hospedar, servir, atender ou receber cliente, comprador ou aluno, por preconceito de raça ou de cor.

Parágrafo único. Será considerado agente da contravenção o diretor, gerente ou responsável pelo estabelecimento.

Art. 2º  Recusar alguém hospedagem em hotel, pensão, estalagem ou estabelecimento da mesma finalidade, por preconceito de raça ou de cor. Pena: prisão simples de três meses a um ano e multa de Cr$ 5.000,00 (cinco mil cruzeiros) a Cr$ 20.000,00 (vinte mil cruzeiros).

Art. 3º Recusar a venda de mercadorias e em lojas de qualquer gênero, ou atender clientes em restaurantes, bares, confeitarias e locais semelhantes, abertos ao público, onde se sirvam alimentos, bebidas, refrigerantes e guloseimas, por preconceito de raça ou de cor. Pena: prisão simples de quinze dias a três meses ou multa de Cr$ 500,00 (quinhentos cruzeiros) a Cr$ 5.000,00 (cinco mil cruzeiros).

Art. 4º Recusar entrada em estabelecimento público, de diversões ou esporte, bem como em salões de barbearias ou cabeleireiros por preconceito de raça ou de cor. Pena: prisão simples de quinze dias três meses ou multa de Cr$ 500,00 (quinhentos cruzeiros) a Cr$ 5.000,00 (cinco mil cruzeiros).

Art. 5º  Recusar inscrição de aluno em estabelecimentos de ensino de qualquer curso ou grau, por preconceito de raça ou de cor. Pena: prisão simples de três meses a um ano ou multa de Cr$ 500,00 (quinhentos cruzeiros) a Cr$ 5.000,00 (cinco mil cruzeiros).

Parágrafo único. Se se tratar de estabelecimento oficial de ensino, a pena será a perda do cargo para o agente, desde que apurada em inquérito regular.

Art. 6º Obstar o acesso de alguém a qualquer cargo do funcionalismo público ou ao serviço em qualquer ramo das forças armadas, por preconceito de raça ou de cor. Pena: perda do cargo, depois de apurada a responsabilidade em inquérito regular, para o funcionário dirigente de repartição de que dependa a inscrição no concurso de habilitação dos candidatos.

Art. 7º Negar emprego ou trabalho a alguém em autarquia, sociedade de economia mista, empresa concessionária de serviço público ou empresa privada, por preconceito de raça ou de cor. Pena: prisão simples de três meses a um ano e multa de Cr$ 500,00 (quinhentos cruzeiros) a Cr$ 5.000,00 (cinco mil cruzeiros), no caso de empresa privada; perda do cargo para o responsável pela recusa, no caso de autarquia, sociedade de economia mista e empresa concessionária de serviço público.

Art. 8º Nos casos de reincidência, havidos em estabelecimentos particulares, poderá o juiz determinar a pena adicional de suspensão do funcionamento por prazo não superior a três meses.

Art. 9º Esta Lei entrará em vigor quinze dias após a sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Rio de Janeiro, 3 de julho de 1951; 130º da Independência e 63º da República.

GETÚLIO VARGAS

Francisco Negrão de Lima


 

Afonso Arinos de Melo Franco (Belo Horizonte, 27 de novembro de 1905 − Rio de Janeiro, 27 de agosto de 1990) foi um jurista, político, historiador, professor,  ensaísta e crítico brasieliro. Destaca-se pela autoria da Lei Afonso Arinos contra a discriminação racial em 1951. Ocupou a Cadeira 25 da Academia Brasileira de Letras, onde foi eleito em 23 de janeiro de 1958.


sábado, 29 de agosto de 2020

Histórias Bizarras da Literatura Brasileira

 10 curiosidades inusitadas sobre a Literatura Brasileira

 Por Jéssica Chiareli

Em 2014, o jornal britânico “The Guardian”, em reportagem assinada pelo jornalista Ángel Gurría-Quintana, afirmou que o Brasil “faz livros tão bem quanto futebol”. Não é para menos, embora não seja tão fácil encontrar grandes obras nacionais traduzidas para outros idiomas, os autores brasileiros são cada vez mais reconhecidos para além das fronteiras do país. Enquanto os estrangeiros descobrem cada vez mais as produções do universo literário brasileiro, por aqui não apenas as histórias contidas dentro dos livros são exploradas, aquelas que se escondem nos bastidores deles também. A Bula reuniu em uma lista dez curiosidades inusitadas sobre a Literatura Brasileira. As informações foram retiradas do livro “História Bizarra da Literatura Brasileira” (2017), do jornalista Marcel Verrumo. O autor realizou uma extensa pesquisa em documentos, jornais e artigos acadêmicos, da qual conseguiu extrair acontecimentos curiosos e pouco difundidos sobre a vida dos grandes escritores nacionais e suas obras.

Carta de Pero Vaz de Caminha foi escrita para livrar um ladrão do exílio

Pero Vaz de Caminha, considerado o autor inaugural da literatura brasileira, escreveu a famosa carta de descobrimento do Brasil interessado em livrar seu genro do exílio na África − pena por ele ter roubado uma Igreja Católica e agredido um padre. Com a oportunidade de escrever para o rei de Portugal informando o sobre o novo território, ele aproveitou para pedir o retorno do genro ao território português.

Álvares de Azevedo previu o ano de sua morte

O autor estudou direito em São Paulo, no Largo de São Francisco. Quando estava no terceiro ano, um de seus amigos do quinto ano, Feliciano Coelho Duarte, sofreu uma desilusão amorosa e suicidou-se. No ano seguinte, o também amigo quintanista João Batista da Silva Pereira morreu. Ele, então, sentiu que poderia haver uma maldição que acometia os alunos quintanistas: todo ano, segundo ele, um estudante morreria. Como seria um quintanista no ano seguinte, profetizou que o próximo poderia ser ele mesmo.

Apenas no século 19 uma mulher publicou um livro no Brasil

Nísia Floresta Brasileira Augusto foi a primeira mulher a publicar um livro no Brasil, o que só ocorreu no século 19, com a obra “Direito das Mulheres e Injustiça dos Homens”. Nascida no Rio Grande do Norte, ela foi obrigada a se casar aos 13 anos, mas meses depois fugiu da casa do marido. Ameaçada por ele, foi obrigada a se mudar para o Rio Grande do Sul, e depois para o Rio de Janeiro, onde abriu uma escola. Além de escritora, por defender os direitos das mulheres, também é considerada a primeira feminista brasileira.

Machado de Assis foi vendedor de balas de coco

Negro e órfão de mãe ainda jovem, Machado de Assis precisou trabalhar desde pequeno para ajudar a família. Ela começou sua carreira vendendo balas de coco feitas por sua madrasta, mas começou a se dedicar à literatura quando um editor lhe ofereceu a oportunidade de trabalhar em uma tipografia. No trabalho, pouco a pouco, o autor desenvolveu um estilo próprio de escrever, que culminaria em obras-primas como “Memórias Póstumas de Brás Cubas” e “Dom Casmurro”.

Verbo brochar foi inspirado nos primeiros livros eróticos brasileiros

Os primeiros livros eróticos nacionais, batizados de Romances para Homens, por não serem indicados ao público feminino, eram impressos em formato brochura. Tudo indica que algum leitor, enquanto lia um romance erótico, olhou para a encadernação e associou o formato com o órgão sexual masculino. Da associação, surgiram expressões como “homem brocha”, e até o verbo “brochar”, como o conhecemos hoje em dia.

Olavo Bilac sofreu o primeiro acidente de carro registrado no Brasil

O Rio de Janeiro do final do século 19 passava por uma série de transformações urbanas. Essas mudanças de cenário ocasionaram situações inusitadas. Uma das mais curiosas é que um dos primeiros detentores de um carro no Brasil, o jornalista José do Patrocínio, convidou seu amigo Olavo Bilac para dar uma volta pela cidade. Só que ele não sabia que Bilac não tinha a mesma habilidade de dirigir quanto tinha de escrever. O autor bateu o carro a 4km/h e provocou o primeiro acidente registrado no país.

Euclides da Cunha foi assassinado pelo amante da própria esposa

O autor de “Os Sertões” foi assassinado pelo amante de sua própria esposa. Segundo relatos históricos, Euclides era um homem muito focado em trabalho e deixava de lado sua vida familiar. A sua esposa decidiu sair de casa e engatar um relacionamento com outro homem. Euclides, inconformado, pegou uma arma e foi à casa do sujeito, que acabou o matando. Anos mais tarde, o filho do escritor tentaria vingar a morte, mas também foi assassinado pelo mesmo homem.

Oswald de Andrade se casou no cemitério da Consolação

Casado com a pintora Tarsila do Amaral, Oswald traiu a esposa com a escritora Patrícia Galvão, a Pagu, que acabou engravidando. Para manter as aparências, a jovem se casou com outro homem. No entanto, em plena lua de mel, deixou seu recém-marido e fugiu com o modernista. Em 5 de janeiro de 1930, Oswald e Pagu protagonizaram um dos casamentos mais bizarros de nossas Letras. Diante do túmulo da família Andrade, os dois trocaram alianças para registrar a união simbólica perante os antepassados do noivo.

Graciliano Ramos, quando prefeito, multou o próprio pai

O autor de clássicos como “Vidas Secas” e “Angústia” foi prefeito da cidade de Palmeira dos Índios, em Alagoas, após ganhar a popularidade da região como diretor de uma escola. Empossado no novo cargo, criou um código de postura moral com 82 artigos, dentre os quais proibiu a criação de animais na rua. E, lutando contra o clientelismo e o nepotismo, não poupou ninguém das novas leis. Prova disso é que o escritor-prefeito multou o próprio pai por criar porcos em vias públicas.

Guimarães Rosa e sua esposa ajudaram a salvar a vida de centenas de judeus durante a 2ª Guerra Mundial

Guimarães e Aracy Moebius de Carvalho Guimarães Rosa se conheceram em Hamburgo, quando o escritor era embaixador do Brasil na Alemanha e Aracy, secretária. Vivendo no país na era Hitler, os dois começaram a tentar salvar a vida de pessoas que corriam risco de morrer nas mãos do ditador. Enquanto o literato falsificava passaportes para judeus fugirem para o Brasil, a esposa conseguia carimbos e assinaturas falsas para liberar a entrada dos fugitivos no país. O casal salvou a vida de centenas de pessoas.

(Do blog Bula Revista)


Escritores da capa:

No chão: Monteiro Lobato (com picareta) e Olavo Bilac;

Sentados: Clarice Lispector e Cruz e Sousa;

Em pé, da esquerda para a direita: Padre José de Anchieta, José do Patrocínio, Machado de Assis, Cecília Meireles e Manuel Bandeira.

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Tapejara, o último guasca

 

Tapejara vem pra nos matar de rir neste galpão eletrônico. Nascido em meados dos anos 90, o xucro Tapejara é cria da veia de humor do Paulo Louzada e das vivências dele, guri porto-alegrense, lá pros lados e costumes de Canguçu, Camaquã e campanha. O sucesso do Tapejara − tiras no Diário Gaúcho, Zero Hora,  Diário de Santa Maria e Gazeta do Sul, além do Chasque do Tapejara, jornaleco trimestral disputado a tapa − tem méritos próprios: traço, linguagem e abordagens de cartunista singular, o que consegue ser universal por valorizar o regional.

Os amigos, parentes e bichos do Tapejara








Algumas tirinhas











quarta-feira, 26 de agosto de 2020

A forma e o conteúdo

O poema seguinte, “A taça”, é de Hermes Fontes e foi publicado em seu livro Apoteose, de 1908:

A taça

Pouco acima daquela alvíssima coluna

que é o seu pescoço, a boca é-lhe uma taça tal

que, vendo-a, ou, vendo-a, sem, na realidade, a ver,

de espaço a espaço, o céu da boca se me enfuna

de beijos – uns, sutis, em diáfano cristal

lapidados na oficina do meu Ser;

outros – hóstias ideais dos meus anseios,

e todos cheios, todos cheios

do meu infinito amor...

Taça

que encerra

por

suma graça

tudo que a terra

de bom

produz!

Boca!

o dom

possuis

de pores

a minha boca!

taça

de astros e flores,

na qual

esvoaça

meu ideal!

Taça cuja embriaguez

na via-láctea do sonho ao céu conduz!

Que me enlouqueças mais... e, a mais e mais, me dês

o teu delírio... a tua chama... a tua luz...

 

O poder dos anjos

 

O mundo vive uma nova era dos anjos. Eles desceram dos altares e estão sendo escalados pelas pessoas para atuar ao lado delas nas tarefas mais prosaicas dos dia a dia, como no ato de cozinhar, estacionar um carro, achar um objeto perdido ou ir bem numa prova, por exemplo.

Os tipos de Anjos

Esta é a classificação popular dos anjos, não reconhecida oficialmente pelas denominações religiosas, mas amplamente utilizada pelos esotéricos.

                                                  Mensageiros

Embora não costume aparecer para passar a mensagem, esse anjo usaria outros recursos para se comunicar. Em momentos de dificuldade, por exemplo, uma distração repentina poderia trazer clareza de pensamento, que revelaria a resposta a um complicado problema. Essa distração pode ser ação de um anjo mensageiro. Portanto, ele não se comunicaria, mas abriria caminho para a comunicação.

                                                      Da guarda

É o mais conhecido dos anjos. Todos nasceriam com um e fala-se que, quando Deus observa as pessoas, ele vê dois: o indivíduo e seu anjo da guarda. Além de proteger, ele guardaria os grandes objetivos que estabelecemos para nós mesmos. Anjos da guarda conversariam entre si e um pode pedir ajuda ao outro. A intuição é muitas vezes atribuída à intercessão deles. Em momentos críticos da vida, podemos ter mais de um desses seres protetores.

                                                      Do amor

Apesar de comumente chamados de cupidos, os anjos do amor não teriam função limitada à viabilização de relacionamentos que ainda não existem. Eles também são responsáveis pelo estímulo do respeito e do carinho entre as pessoas no dia a dia. Eles facilitariam a comunicação para que o desgaste da rotina não comprometa a convivência entre gente com comportamentos e objetivos diferentes.

                                                     Curador

Quando as pessoas adoecem, não é só o corpo que sofre, mas a mente e a espiritualidade também. Para que um corpo adoecido não o comprometa a saúde de um espírito saudável e vice-versa, o anjo curador entra em ação. Sem ele, a doença de uma parte contaminaria a outra, em um ciclo que poderia nunca terminar. Os anjos curadores trabalhariam junto com médicos e hospitais.

                                                       Salvador

Estes são frequentemente confundidos com os anjos da guarda. Mas, enquanto os primeiros teriam a função de proteger as pessoas, os salvadores entrariam em ação apenas quando há risco rela de graves ferimentos físicos. Por vezes, eles intercederiam estimulando a manifestação de pessoas do círculo de amizade de quem precisa de ajuda para alertar dos perigos iminentes.

Da felicidade e prosperidade

São os anjos que trariam leveza e perspectiva às situações que, inicialmente, podem parecer excepcionalmente complicadas, mas que com bom humor ganham as dimensões que merecem – geralmente menores que as que damos a elas. Esses anjos também ajudariam a eliminar preocupações para que angústia e ansiedade não comprometam o rendimento das pessoas. 

Guia espiritual

São os anjos que despertam novos interesses espirituais. Esses anjos estimulam curiosidades que, a longo prazo, podem trazer mudanças positivas para a vida pessoal, social ou profissional de uma pessoa. O repentino interesse por uma cultura diferente, por exemplo, poderia ser furo da ação de um anjo como esse.

                                                   Copiloto

Eles assumiriam o que as pessoas não conseguem administrar quando estão concentradas em algo que demanda praticamente toda a sua atenção. Seriam como secretários que trabalham para a pessoa quando ela precisa se afastar de parte de sua vida

                                               Incentivador

Como o nome diz, são os anjos que ajudariam as pessoas a tomar decisões que elas já sabem ser corretas e necessárias, mas que, por alguma razão, não conseguem tomar ou até acreditam desconhecer. As decisões variam das mais simples às mais grandiosas.

Da coincidência

Conhecidos também como os anjos da sincronicidade, eles viabilizariam encontros que aprecem perfeitos demais para serem frutos apenas do acaso. Aprender a reconhecer a ação desses anjos seria aumentar as chances de encontro casuais que podem render melhoria nos planos pessoal, social e profissional.

Revista Isto É, dezembro de 2011


O golpe da Mandala da Prosperidade

Wellington Oliveira*

A palavra Mandala tem vários significados, o mais utilizado é círculo.

O centro dela representa a concentração de energia e é considerada o símbolo universal de integração e harmonia.

Entretanto, a Mandala a que me refiro é a abaixo, na qual é o mais novo sistema de pirâmide financeira do Brasil muito mal disfarçada, diga-se de passagem.

O sistema da “Mandala da Prosperidade” é dividido em quatro grupos: fogo, ar, terra e água. Para entrar, você precisa doar (esse é o termo usado pelos adeptos) R$ 100,00 e precisa convidar mais pessoas para que também doem.

Resumindo, quando você chegar ao topo, ganhará R$ 800,00 com os R$ 100,00 que você entrou, ficará com R$ 700,00 de lucro.

Bom demais para ser verdade? Sim, demais.

Entenda na prática como funciona:

Acompanhe a conversa dos três amigos, José, Pedro e Matheus que eu criei para exemplificar.

José – Hey Pedro e Matheus , querem saber com se faz para ganhar R$ 100,00?

Pedro – Opa, é pra já!

Matheus – Então Conta…

José – Simples, me doem cada um R$ 50,00.

Pedro – Certo!

Matheus – Ok.

José recebe o dinheiro e diz:

José – Viu só, ganhei R$ 100,00, agora é só fazerem o mesmo com mais dois amigos que também conseguem, até mais!

A Mandala da prosperidade é sim uma Pirâmide com a vista de cima e um pouco diferente das outras do que se diz respeito à abordagem, pois eles usam termos como “doar”, “todo mundo recebe”, “é justo” etc.

 E Como isso funciona?

Uma pessoa precisa de R$ 100,00 de outras oito pessoas para conseguir R$ 800,00.

Depois essas oito, que pagaram R$ 100,00, precisam arranjar cada uma mais oito pessoas.

Assim, 64 pessoas têm que doar R$ 100,00 para apenas oito ganharem R$ 800,00.

Na próxima rodada 512 precisam doar R$ 100,00 para que essas 64 ganhem, e assim a “Mandala da Prosperidade” vai girando sucessivamente sendo multiplicada por oito.

É um esquema que nas pesquisas que fiz, 11% das pessoas recebem o valor doado.

Quem normalmente participa?

O público alvo são na maioria mulheres, mulher fogo, mulher água (são assim que eles chamam dependendo da posição que está na Mandala da Prosperidade), a apresentação original é de todo um discurso feminista que realmente parece uma lavagem cerebral para umas realizarem o sonho da outras, reciprocidade, empoderamento feminino, etc.

Existe todo um conceito espiritual e de união que são utilizados para camuflar essa pirâmide financeira.

As mulheres que começam a levantar dúvidas sobre o esquema, que está difícil, que não dá etc. são acusada de bloquear a energia da Mandala e que é justamente isso que está as impedindo de fechar a Mandala.

Para aumentar ainda mais a força, as integrantes do Topo dizem que a Mandala serve para “curar a relação delas com o dinheiro”.

Ou seja, pessoas que têm má relação com dinheiro, estão com dificuldades de pagar as dívidas etc. são presas fáceis dessa Mandala da Prosperidade.

Onde surgiram as pirâmides financeiras?

Em 1920, o Italiano Charles Ponzi ficou famoso. Na época, ele prometia um retorno de 50% de rentabilidade em 45 dias. (8 x menos que essa Mandala).

Ele não criou literalmente, mas foi com ele que esse sistema ficou em destaque.

Mais de 17 mil pessoas tiverem prejuízos.

Minha Opinião sobre a Mandala da Prosperidade:

Eu nunca vi uma pirâmide ao lado técnico tão mal feita, não tem produto, nem site para disfarçar, as pessoas depositam direto nas contas umas das outras.

Ou seja, não tem nada de nada.

Entretanto, eu também nunca tinha visto um grupo tão unido pela tal “doação”, “vamos realizar os sonhos da mulher água”, “vamos girar a mandala”, e blá, blá, blá.

Qualquer ser humano, que esteja aberto, percebe que é uma pirâmide, não há como isso se sustentar, pois, para isso acontecer, seria necessário que o sistema fosse perpétuo o que não é o caso.

Chega a ser maldoso a forma com que eles abordam tudo isso.

O que você vai fazer eu não sei, se está dentro disso ou pensando em entrar.

O que posso fazer a respeito é divulgar a informação e contar com sua inteligência de saber que se entrar estará afetando negativamente várias famílias.

Uma hora a casa cai, digo, a pirâmide com a vista de cima vai cair e pessoas serão lesadas fora que é crime contra a economia.

E agora?

Compartilhe esse artigo para conseguirmos mais pessoas tendo acesso a essa informação e menos sendo pegas nesse golpe.

Normalmente, não escrevo artigos nessa linha justamente, pois meu foco é no positivo e não em escrever algo falando negativamente de algo, mas não pude me conter com tanta força que essa que para mim é uma seita entrando no nosso pais.

Já disse outras vezes que o risco de um investimento é proporcional ao seu conhecimento sobre o mesmo.

Aqui não é diferente, acredito que se antes de uma pessoa entrar em qualquer oportunidade de ganho, ela pesquisasse a respeito com certeza o risco seria muito menor, pois poderia analisar e ao menos saber o que estaria fazendo de forma consciente.

Quer começar a ganhar dinheiro, economizar, investir etc.? Comece investindo em você, quanto mais você gerar valor as pessoas ao seu redor, maior será seu ganho.

Quanto mais ajudar positivamente na vida das pessoas, maior será seu ganho.

Grande abraço e clique em compartilhar esse conteúdo e, claro, se tiver alguma dúvida ou não concordar coloque nos comentários.

*Life Coach Formado em Gestão Financeira e quero te ajudar definitivamente a gerenciar suas finanças pessoais.

 

terça-feira, 25 de agosto de 2020

O rei, o servo e os seus cães ferozes.

 

O rei tinha dez cães selvagens. Ele os usava para torturar e comer os seus servos que cometiam erros. Um dos servos deu um parecer afirmando o rei estava errado numa ação, e o rei não gostou nada disso... Então, ele ordenou que o servo fosse jogado aos cães.

O servo disse:

− Meu Rei, eu o servi por dez anos, e Vossa Majestade faz isso comigo? Por favor, dê-me dez dias antes de me lançar aos cães!

O rei concordou.

Nesses dez dias, o servo foi para o guarda, que cuida dos cães, e disse que ele gostaria de cuidar dos animais pelos próximos dez dias. O guarda ficou perplexo, mas concordou, e o servo começou a tratar dos cães, a limpá-los, banhando-os e fornecendo todos os tipos de conforto e alimentação para eles.

Quando os dez dias se passaram, o rei ordenou que o servo devesse ser jogado aos cães para a sua punição. Quando ele foi jogado, estavam todos espantados ao ver os cães ferozes apenas lambendo os pés do servo com imensa alegria!

O rei, perplexo com o que estava vendo, disse:

− O que aconteceu com meus cães ferozes?

O servo respondeu:

− Eu servi os cães por apenas dez dias, e eles não esqueceram o meu serviço. No entanto, eu o servi por um total de dez anos e o senhor se esqueceu de tudo, logo no meu primeiro erro!

O rei percebeu seu equívoco e ordenou que o servo fosse posto em liberdade.

Esta mensagem é um lembrete para todas aquelas pessoas que esquecem as coisas boas que uma pessoa faz por elas, punido-as assim que a pessoa comete um simples erro.

Que possamos lembrar também dos acertos, e não só dos erros!

                                 (Autor desconhecido)